Ciclista negro abordado por PMs com armas apontadas se sentiu constrangido em parque: ‘Não precisavam ter me algemado’

    Imagem ilustrativa

O ciclista negro que foi alvo de uma abordagem de policiais militares enquanto fazia manobras disse que se sentiu constrangido ao ter armas apontadas contra ele, em Cidade Ocidental, no Entorno do Distrito Federal. Segundo o jovem, que não quis ser identificado, os PMs não tinham motivo para algemá-lo e continuaram o oprimindo após desligarem a câmera.

“Eu estava só me divertindo no meu horário de lazer. Fiquei muito constrangido porque tinha crianças lá olhando eu fazer a manobra no parquinho, tinha pais lá, tinha gente fazendo caminhada”, disse.

“Eu acho que não precisavam ter me algemado, terem me tratado da forma que eles me trataram”, desabafou.

A gravação foi feita na manhã de sexta-feira (28) pelo próprio rapaz que fazia as manobras. Ele explicou que trabalha como eletricista, mas estava filmando o vídeo para um canal que tem no YouTube. As imagens mostram os PMs armados exigindo que o jovem colocasse as mãos na cabeça enquanto ele questiona o motivo de ser alvo da abordagem (assista acima).

Em nota, a Polícia Militar informou que está “verificando todas as informações relativas a este fato” para se posicionar sobre o que aconteceu. À TV Anhanguera, a PM disse ainda que, caso seja comprovado algum excesso na conduta dos militares, as providências legais serão tomadas.

Já o Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) disse que “instaurou um procedimento para apuração dos fatos por meio de uma das promotorias de Cidade Ocidental que têm atribuição para atuar no controle externo da atividade policial”.

Ainda de acordo com o ciclista, ele teve que assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por desobediência.

“Após o vídeo, foi a mesma opressão. Continuaram me oprimindo, falando alto no meu ouvido e dizendo que eu estava os desacatando, sendo que eu não estava falando absolutamente nada”, disse.

O jovem contou ainda que os PMs alegaram que o abordaram porque o local é frequentado por traficantes. “Eles ainda estão alegando que eu estava em um lugar que é um ponto de uso e tráfico de droga. Eu só tenho a verdade comigo. A verdade é a que está no vídeo”, disse.

Imagem mostra abordagem

 

No vídeo, o jovem para a bicicleta quando vê os PMs saindo do carro a poucos metros dele. O jovem pega a câmera, que estava posicionada no chão, e pergunta aos policiais o motivo da abordagem. Enquanto isso, um dos policiais exige: “Coloca a mão na cabeça!”.

O ciclista pergunta: “Por que você está apontando a arma para mim?”. De imediato, o PM repete: “Coloca a mão na cabeça”.

O ciclista pede: “Para de apontar a arma para mim”. Em seguida, o policial responde: “Esse é o procedimento. Isso é uma abordagem. Se você não obedecer, você vai ser preso”.

Olha como estão me tratando. Como assim?”, questiona o jovem.

O outro PM afirma: “Estou de dando uma ordem legal: coloca a mão na cabeça”.

Após a discussão, o ciclista coloca a câmera no chão e tira a camiseta. Depois se coloca de costas para os policiais e põe as mãos atrás da cabeça, obedecendo à ordem. Um dos PMs começa a algemá-lo e, depois, desliga a câmera.

Após discussão, ciclista obedece ordem de PMs e coloca as mãos na cabeça — Foto: Reprodução/GNews

Após discussão, ciclista obedece ordem de PMs e coloca as mãos na cabeça — Foto: Reprodução/GNews

Vídeo viralizou na web

As imagens da abordagem viralizaram na web e estão repercutindo nas redes sociais. Em uma das publicações, o vídeo já possuía mais de 5 milhões de visualizações e 136,3 mil curtidas até as 8h30 deste domingo (30). Nos posts, muitos internautas questionam se a postura dos policiais tem relação com o fato de o jovem ser negro.

Em um dos comentários em uma rede social, uma mulher disse que achou revoltante a conduta dos policiais durante a abordagem.

“Revoltante e assustador saber que mesmo em um local calmo, sem nenhum indício de ameaça, abordarem alguém dessa maneira apenas por causa da sua cor #VidasNegrasImportam”, escreveu.

Outro internauta digitou: “Abuso inaceitável”.