Ciclo olímpico do Brasil teve R$ 950 milhões e recorde de medalhas em Tóquio

O COB deixa o Japão festejando a façanha e animado com as novas modalidades, como surfe e skate, além de planos ambiciosos para Paris

Foto: Laurence Griffiths/Getty Images

Com investimento de R$ 950 milhões no ciclo olímpico estendido por causa da pandemia, de quatro para cinco anos (2017-2021), o Brasil bateu todos os recordes possíveis nos Jogos de Tóquio. Ganhou mais medalhas na soma geral do que as 19 do Rio-2016, as atletas mulheres subiram ao pódio mais vezes do que as sete de Pequim-2008 e a quantidade de medalhas de ouro já havia sido igualada um dia antes do fim da Olimpíada: sete, como no Rio.

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) deixa o Japão festejando a façanha e animado com as novas modalidades, como surfe e skate, de modo a ter planos ambiciosos vislumbrando a edição de Paris, daqui a três anos. O planejamento é de o Time Brasil mudar seu patamar na França e subir mais degraus no quadro de medalhas. Ao lado da Alemanha, em 1972, e da Grã-Bretanha, em 2012, o Brasil melhora seu desempenho depois de sediar uma edição olímpica. Não costuma ser assim.

Ao dinheiro investido da Lei Piva, Bolsa Atleta (governo) e patrocinadores, junta-se o talento de atletas dessas modalidades debutantes, cujos competidores são jovens, acima da média e com pelo menos mais dois ciclos olímpicos para cumprir, Paris e Los Angeles, em 2028.

Aos R$ 800 milhões anunciados em 2017 para a formação e preparação dos atletas, o COB teve aporte de mais R$ 150 milhões das loterias para manter os competidores em ação por mais um ano após o Comitê Olímpico Internacional (COI) ter de adiar a disputa de 2020 para 2021 por causa da covid-19.

Se tivesse ficado nos R$ 800 milhões, o Brasil teria gasto perto do aporte feito para a edição de Londres, cujo montante destinado ao COB atingiu R$ 770 milhões. A verba só foi maior no Rio-2016, quando os gastos bateram em R$ 1,9 bi – por ser o país-sede e ter participado de todas as modalidades do programa olímpico.

“Reestruturamos algumas áreas do COB, renegociamos contratos e tivemos um contingenciamento que é saudável e que nos ajudou a não sofrer grandes problemas. Cortamos gastos em outras áreas (R$ 43 milhões), mas o foco nunca deixou de ser a preparação dos atletas. Isso nós nunca mudamos”, disse o presidente do COB, Wanderley Teixeira, antes dos pódios em Tóquio.

Dois dos novos esportes que integraram o programa olímpico confirmaram no Japão as expectativas e contribuíram bastante para o Brasil saltar no quadro de medalhas. Graças ao ouro no surfe e às três medalhas de prata no skate, a delegação nacional alcançou a maior campanha de sua história, superando as 19 medalhas do Rio-2016.

Dois dos novos esportes que integraram o programa olímpico confirmaram no Japão as expectativas e contribuíram bastante para o Brasil saltar no quadro de medalhas. Graças ao ouro no surfe e às três medalhas de prata no skate, a delegação nacional alcançou a maior campanha de sua história, superando as 19 medalhas do Rio-2016.

Quem também teve chance de ser bronze foi Luizinho Francisco. Ele fez uma última volta de alto nível, mas os juízes não lhe deram os pontos necessários. Eles devem estar em Paris.

No surfe, quem levou o ouro foi Italo Ferreira. Gabriel Medina chegou perto, foi bem em toda a competição, mas perdeu na semifinal em bateria apertada e caiu na disputa pelo bronze.

“É uma conquista incrível para a minha carreira, mas no pessoal é ainda mais importante: posso olhar para trás, ver da onde vim, com quem cresci, aqueles que estavam ao meu lado e acreditaram em todos os momentos. Acho que a parte mais difícil era lá no passado: acreditar, perseverar, treinar. Hoje só vivo um sonho e tenho de aproveitar”, disse Italo.

Com o bom desempenho das duas modalidades em Tóquio, a expectativa é de que, para Paris, o sucesso continue. “A gente tem um trabalho de base, com pessoas ótimas cuidando disso, e temos muitos skatistas bons. Então, tenho certeza de que o Brasil estará forte em 24 e 28. Quem esteve aqui em Tóquio não terá vida fácil para ir à próxima Olimpíada por causa da qualidade dos atletas”, diz Musa.

O cenário no surfe é parecido. Um dos grandes surfistas do Brasil, Filipe Toledo, ficou como reserva em Tóquio. Sophia, irmã de Gabriel Medina, pode começar a surpreender.

Para o presidente da CBSk, o mais importante agora é oferecer estrutura para os atletas e recursos para competir com os melhores do mundo. “A gente precisa continuar levando o maior número de skatistas para as disputas internacionais, dando oportunidade para todos, e acho que esse calendário vai ser muito mais difícil agora.”