Cielo faz índice para o Mundial da China e sinaliza adeus este ano

Naquela que foi sua despedida como nadador profissional disputando uma prova no Brasil, Cesar Cielo assegurou nessa terça-feira (28) uma vaga na equipe do Brasil que disputará o Campeonato Mundial de piscina curta (25 metros), que acontecerá em Hangzhou (CHN), em dezembro.

O nadador do Pinheiros venceu em casa a prova dos 50 m livre, válida pelo Troféu José Finkel, com o tempo de 20s98, marca que lhe deu vaga na equipe brasileira que irá ao Mundial. Na mesma prova, Mateus Santana, seu companheiro de clube, também assegurou um lugar no Mundial, ao fazer o tempo exato exigido pela CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos): 21s29.

Logo ao sair da pisicina, em entrevista à TV CBDA, Cesar Cielo deixou bem claro que esta foi a última vez em que competiu uma prova oficial no Brasil. “Quem viu, viu. Quem não viu, agora só no YouTube”, brincou o nadador paulista, que em entrevista à Folha de S.Paulo no último dia 10 de agosto, quando relembrava os dez anos da medalha de ouro olímpica nos 50 m livre, nos Jogos de Pequim, disse que havia adotado a estratégia de pensar por temporadas para definir seu futuro no esporte.

Mas ao vencer os 100 metros livre no último domingo (26) pelo José Finkel, Cielo declarou que este pode ser mesmo o último torneio que disputou no Brasil. Mesmo com o adeus às piscinas evidente, Cesar Cielo deixou claro que não irá para a China só a passeio.

“Podem esperar que irei com tudo neste Mundial”, prometeu à torcida, que lotou a piscina do Esporte Clube Pinheiros e festejou muito a sua vitória. Cielo aproveitou o clima pela vitória e cobrou a CBDA para que leve a equipe do revezamento 4 x 100 m livre para o Mundial. “Eu queria pedir para que a confederação reconsiderasse e levasse ao Mundial o revezamento. Precisamos olhar com carinho para este revezamento, pois ele poderá trazer muitas alegrias para a natação do Brasil”, afirmou Cielo.

Reforçado pelo seu maior nadador em todos os tempos, o Brasil vai ao Mundial da China com o objetivo de superar bem o desempenho no torneio anterior, realizado em Windsor (CAN), em 2016. Na ocasião, o principal destaque individual ficou para Etiene Medeiros, que na época tornou-se a primeira brasileira a ganhar uma medalha de ouro em Mundiais (de todas as distâncias), com a vitória nos 50 m costas.

Ela ganhou ainda uma medalha de prata, integrando a equipe do revezamento misto 4 x 50 m medley. O Brasil ainda obteve uma medalha de bronze nos 50 m peito, com Felipe Lima.

Fonte: Folhapress.