Cinco deputados assinam pedido de CPI para apurar desvio de milhões da saúde no Governo de Melo

deputados-na-miraApós a deflagração da Operação “Maus Caminhos”, que tem a finalidade de desarticular esquema de desvios de recursos públicos provenientes do Fundo Estadual de Saúde do Estado do Amazonas, a deputada Alessandra Campelo (PMDB) e o deputado José Ricardo (PT) ingressaram, nesta terça-feira (20), com um pedido de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar no âmbito da Assembleia Legislativa do Amazonas as suspeitas de desvios que já somam um rombo de mais de R$ 112 milhões. Até o momento, cinco deputados assinaram o pedido de CPI.

A operação “Maus Caminhos” foi deflagrada nesta terça entre a Receita Federal do Brasil, a Polícia Federal e Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle.

De acordo com Alessandra Campelo, o objetivo da CPI é investigar dezenas de denuncias de desvio de dinheiro público, e não só nos casos que estão sendo investigados pela Policia Federal. Ela afirma ainda que as empresas Salvare, Total Saúde e Simea têm outros contratos com o Estado onde há indícios de desvio de dinheiro público.

“Temos situações de falta de atendimento a pacientes renais crônicos, suspensão de transplante de fígado, suspensão de cirurgia para crianças cardiopatas, além da falta de medicamentos e outros problemas”, disse a parlamentar ao salientar que isso não acontece por falta de dinheiro. De acordo com ela, dinheiro tem, mas está indo para o lugar errado.

A deputada destacou que acredita que o secretário de saúde, Pedro Elias e o governador José Melo são cúmplices. “Não é possível que haja um desvio de R$ 200 milhões e ninguém saiba disso. Isso tudo é atestado e pago. O secretário de saúde em última analise é o ordenador de despesa da pasta e isso precisa ser investigado”, afirmou a deputada ressaltando que alguns contratos são pagos, mas os serviços não são prestados aos cidadãos.

Criticando os desvios, o deputado José Ricardo afirmou que este é a razão pelo qual o Governo do Estado propôs o fechamento dos Caics, Caimis, Policlínicas, Maternidades. “Por isso diziam que não havia dinheiro para os hospitais e a manutenção das unidades de saúde. Não tem dinheiro para a saúde porque os recursos estavam sendo desviados para favorecer estas empresas, que prestavam o serviço cobrando valores bem superiores aos praticados no mercado, e, que segundo as investigações, há casos em que pagamentos foram efetuados em duplicidade, e outros repassados a serviços não prestados”, disse o parlamentar.

“Antes tarde do que nunca!”. Foi como o deputado Luiz Castro (REDE) classificou a operação da PF. O parlamentar que é a favor da CPI afirmou que tem a visão de que cada desvio de dinheiro público já é negativo por si só, no entanto, ele disse que o desvio na saúde representa um ato contra a vida humana. “Entendo que está casa tem um dever a cumprir”, disse o deputado.

Para a instalação da CPI é preciso que oito deputados assinem o pedido. Até o Momento apenas cinco aderiram a CPI, além de José Ricardo e Alessandra Campelo, assinaram o pedido os deputados Wanderley Dallas (PMDB), Luiz Castro (REDE) e Vicente Lopes (PMDB).

Alessandra afirmou que três deputados pediram uma copia do requerimento da CPI para analise e poderão assinar nesta quarta-feira (21). Ela não revelou quem são os parlamentares, mas pelo andar da carruagem essas assinaturas podem vir de deputados que antes assumiam o discurso do Governo de Melo de que o problema da saúde pública do Amazonas era falta de dinheiro e agora se vêm “traídos” pela denúncia da PF de que o problema é corrupção. (Equipe do Radar)