Clínicas veterinárias no AM devem obrigatoriamente notificar casos de esporotricose em animais consultados

clínicas

Foto: Aniele Nascimento

A Lei n.º 5.411/2021 estabelece que a notificação compulsória de todos os casos confirmados de esporotricose, constatados em hospitais privados e clínicas veterinárias, começa a ser efetivamente cumprida em Manaus. O Centro de Controle de Zoonoses é atualmente o órgão responsável na realização do cadastro, de modo que as clínicas veterinárias ou profissionais de medicina veterinária devem cadastrar seus atendimentos no link: https://forms.gle/6SN4URPNfD5QWyUa8.

A lei, promulgada em 2021 e de autoria da deputada estadual Joana Darc (União Brasil), visa auxiliar no controle da Esporotricose no município, mapeando os casos e os bairros mais afetados, para assim intensificar o seu tratamento pelo poder público. Em virtude da importância de se conter o presente surto, a parlamentar explica ser essencial ter informações incluindo as suas causas para que se possa desenvolver corretas políticas públicas para seu enfrentamento (ver lei na íntegra no final da matéria).

“Estamos falando de saúde pública, que necessita de controle e amparo por parte das autoridades de saúde. A notificação compulsória significa o primeiro passo para gerar eficiência da política de controle da esporotricose no Estado, possibilitando assim ao Governo do Estado e Prefeitura de Manaus assumirem o planejamento de políticas públicas preventivas, dirimir falhas e aperfeiçoar os serviços e ações na assistência ao paciente ou animal com esporotricose, pois se diagnosticado precocemente, tem cura”, disse a parlamentar.

Segundo o texto da legislação, a notificação deve ser preenchida em formulário específico pelo veterinário responsável pelo diagnóstico da doença ao Centro de Controles de Zoonoses – CCZ, contendo obrigatoriamente o nome do animal, o nome da clínica veterinária onde se concentra o animal em tratamento e o local ou bairro onde possivelmente ocorreu a contaminação. Além disso, a notificação deve ser feita independentemente da origem do paciente.

Para ter mais informações sobre a esporotricose ou em casos suspeitos da doença, o manauara pode entrar em contato com o CCZ através do número 0800 280 8 280 ou (92) 98842-8484, que funciona de segunda a sexta-feira, das 08h às 17h.

Sobre a doença

A doença é uma infecção por fungo que acomete humanos e animais, como cães e gatos, cuja manifestação característica é o aparecimento de ferimentos e úlceras na pele e nas mucosas; e avança em Manaus. O fungo da esporotricose pode ser transmitido ao gato e às pessoas pelo contato com materiais contaminados, como casca de árvores, palha, farpas, espinhos ou terra. O animal contaminado transmite a doença para outros animais e para as pessoas, por meio de arranhões, mordidas ou contato direto com a pele lesionada.

Porém, a maior vítima da esporotricose tem sido o felino, que vive em contato direto com esse tipo de material (madeira, areia). A doença causa lesões severas na pele causando sofrimento ao animal e até a morte, necessitando do controle da zoonose, para o impedimento da transmissão para outros felinos e pessoas.

Confira a lei na íntegra

(*) Com informações da Assessoria