CMM aprova vinda de membros do Executivo para esclarecer acusações de uso da máquina pública no caso Flávio

O colegiado líderes da Câmara Municipal de Manaus aprovou nessa terça-feira (8) o convite aos membros da Prefeitura de Manaus para prestar esclarecimentos sobre como estão sendo conduzidas as investigações do possível uso indevido da máquina pública no caso que gerou o homicídio do engenheiro Flávio Rodrigues, no último domingo (29).

O convite foi oficializado por meio de ofício assinado pelo próprio presidente da Casa Legislativa, vereador Joelson Silva (PSDB), em consonância com todos os vereadores presentes na sessão plenária.

A reunião com o secretário municipal Extraordinário de Articulação Política, Luiz Alberto Carijó, e o procurador-geral do Município, Rafael Albuquerque, está programada para às 10h desta quarta-feira (9), no plenário Adriano Jorge, da CMM.

De acordo com o presidente Joelson Silva, a vinda dos representantes do Executivo à Câmara, foi tomada em momento oportuno e com intuito de informar a população sobre as providências feitas diante das denúncias que apontam suposto uso indevido da estrutura pública do município no caso. É preciso, no entendimento do parlamentar, por um basta na guerra de informações promovidas com razões eleitoreiras.

“Eu não procuro ficar na mira dos holofotes, isso não me interessa. Tenho compromisso e comprometimento com esta Casa e com a sociedade, assim como cada um dos vereadores que hoje se indignam com acusações levianas, que tentam denegrir a imagem deste Poder”, afirmou Joelson Silva.

O presidente da Câmara lembrou que o caso se trata de homicídio e existem etapas que precisam ser cumpridas na investigação policial e no processo judicial. “Quem está cuidando desse caso, neste momento, é a polícia, e por isso não queremos queimar etapas antes da investigação ser concluída”, disse o presidente, antes da leitura do ofício.

Entenda o caso

O engenheiro Flávio Rodrigues, de 42 anos, estava desaparecido no último domingo (29) e foi encontrado morto no dia seguinte, em um terreno no bairro Tarumã. O crime teria ocorrido durante ou após um encontro de amigos na residência do filho da primeira-dama do município, Alejandro Valeiko. Segundo testemunhas, a festa aconteceu no domingo à noite e foi quando Flávio Rodrigues desapareceu.

Na segunda-feira (7), Alejandro Molina Valeiko se apresentou na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), na zona Leste de Manaus para prestar esclarecimentos sobre a morte do engenheiro Flávio Rodrigues, de 42 anos. Ele estava acompanhado de seus dois advogados, Marco Aurélio Choy e Yuri Dantas. “Ele é inocente, veio esclarecer os fatos e estar à disposição da polícia, sendo um dos maiores interessados em resolver essa questão”, disse Choy.