CMM vai pagar quase R$200 mil em equipamentos de som para empresa de “fundo de quintal”

O Radar esteve no local e constatou que os equipamentos não estavam na empresa

 

O local nada se assemelha a uma empresa Foto: Radar Amazônico

O presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM) David Reis (Avante) pagará quase R$200 mil reais na compra de materiais de áudio para o som ambiente da casa legislativa. O valor será pago a uma empresa cujo endereço “dá” em um pequeno comércio e após investigações presenciais, o Radar constatou que a contratada possui uma sede sem estrutura, com um escritório sem nenhum equipamento de áudio e “colada” na escola municipal Blandino J. Ribeiro, no bairro da Compensa.

A despesa da “Contratação de empresa especializada para o fornecimento de materiais de áudio para substituição de pontos de som ambiente nas dependências da Câmara Municipal de Manaus com fornecimento e instalação” consta em um despacho de homologação publicado no Diário Oficial da Câmara no último dia 26 de novembro. (Confira o documento no fim da matéria)

O que chama atenção em mais uma das contratações do presidente não é o valor da contratação, mas sim a empresa que realizará a oferta dos itens que vão desde caixas de som acústico até dezenas de fios, Henkel – comércio de confecções e construções Ltda, inscrita no CNPJ n.º 16.640.194/0001-20.

Em consulta ao site da Receita Federal, a reportagem constatou que a atividade econômica principal da empresa é registrada como “comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios”, isto é, bem distante do serviço contratado. As atividades secundárias não ficam atrás, uma vez que compõem uma lista extensa de funções que vão desde comércio varejistas de artigos de papelaria, comésticos, bebidas, produção teatral até serviços de lavanderia.  (Confira a inscrição completa de quatro páginas no final da matéria)

Fonte: Receita Federal

No mesmo documento da Receita, também consta que a Henkel tem a sede localizada na Rua Teófilo Dias, número 410, bairro Compensa. Durante a apuração, em consulta a aplicativos de localização, o Radar percebeu que o endereço informado coincidia com um pequeno mercado. Tendo isso em vista, a reportagem  foi ao local constatar a existência da empresa que receberá o valor de R$ 193.390 (cento e noventa e três mil, trezentos e noventa reais).

Número não encontrado

Ao chegar no endereço, o primeiro desafio da reportagem foi encontrar um imóvel com o número 410. Só foi encontrado o de 409, ocupado por um pequeno mercado comandado por uma senhora (que preferiu não se identificar). Ela mora no local há 50 anos e afirma que nunca viu nem sinal de uma loja que vendesse aparelhos de som ou cabos.

Ao canto esquerdo da imagem, a dona do mercado que preferiu não se identificar e uma cliente. O comércio é registrado no número 409, que deveria ser vizinho a empresa/Foto: Radar Amazônico.

O Radar continuou procurando a empresa e nenhum número 410 foi encontrado. Foi após um contato com um trabalhador das redondezas, foi descoberto o escritório da empresa, que fica na parte superior da CMEI Blandino J. Ribeiro.

Empresa “colada” em escola 

O escritório da empresa fica localizado em uma espécie de “anexo” de uma escola municipal/Foto: Radar Amazônico

No local, ocupado por algumas prateleiras vazias, uns sofás e uma mesa de escritório, a reportagem conversou com um dos sócios da empresa, Naiguel Moldes Pereira, filho do dono (lê-se sócio administrador) Henrique Jorge Pereira. Ele foi questionado sobre os equipamentos, já que eles não estavam no local.

Em resposta, Naiguel afirmou que os itens não estavam armazenados no escritório por falta de espaço e que estariam em um galpão de um amigo da família no bairro Tarumã.

A empresa fica ao lado de uma escola municipal

Ele finalizou a breve conversa afirmando que forneceria mais informações através de mensagens. Entretanto, ele só respondeu às questões nesta manhã de quarta-feira (1°) onde ele apontou que iria “avaliar” a possibilidade de atender à demanda.

CMM

A assessoria de comunicação da Câmara Municipal foi procurada e questionada sobre a situação das caixas de som atualmente para buscar um fundamento na compra dos itens. Além disso, o edital do pregão também foi solicitado. Até a publicação desta matéria não obtivemos respostas.

Confira o despacho na íntegra

Confira a inscrição da empresa