Coca-Cola anuncia que pode deixar o Amazonas por causa do corte nos incentivos fiscais, alerta deputado

O Amazonas pode perder milhares de postos de emprego caso a fábrica de concentrados da Coca-Cola Brasil cumpra aquilo que vem anunciando e deixe o Estado por não considerar o Pólo Industrial de Manaus um lugar mais atrativo para desenvolver suas atividades. Pioneira no polo de concentrados da Zona Franca de Manaus e tendo, inclusive, atraído outras empresas e fornecedores para o polo industrial, a fábrica de concentrados da Coca-Cola Brasil, ameaça deixar o Brasil, caso não recupere o subsídio concedido pelo Governo Federal.

Foto: Marcelo Araújo

O assunto foi abordado pelo deputado Serafim Corrêa (PSB), durante discurso no plenário da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), na manhã desta terça-feira (21), a partir de matéria publicada pela Folha de São Paulo.

“A Coca-Cola é a maior exportadora entre as empresas instaladas na Zona Franca de Manaus. A renúncia fiscal é o que segura a ZFM, essa foi a concepção do modelo. E essa renúncia vem sendo reduzida progressivamente, quando a Recofarma se instalou aqui a renúncia era de 40%, depois caiu para 20% e agora o Governo Federal reduziu para 4%. Ora, 4% de incentivo fiscal não atrai nenhuma empresa para Manaus, dada as dificuldades de logística, de transporte, de porto e aeroporto”, avaliou Serafim.

A advertência da empresa Coca-Cola ocorre quase três meses após o presidente da República Michel Temer (MDB) publicar decreto alterando a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de 20% para 4%. A renúncia fiscal concedida às empresas localizadas na ZFM está prevista em legislação para atrair desenvolvimento e empregos para a região.

“Entre produzir aqui e produzir no exterior, segundo a Folha, a Coca-Cola vai produzir no Uruguai, no Paraguai, vai produzir em outros países, e óbvio, as consequências da saída de uma empresa desse porte, será devastador. Isso revela a insegurança jurídica do nosso principal modelo de desenvolvimento. Eu lamento tudo isso e me manifesto em defesa do único modelo que temos e é ele que tem aguentado a economia do nosso estado”, concluiu Serafim.

Fonte: Assessoria do deputado