Com 23 assinaturas e parecer favorável da Procuradoria, CPI da Pedofilia da ALE sucumbe numa reunião de líderes (ouvir áudio)

Por 12 votos a 9, em uma reunião de líderes partidários com o deputado-presidente, Josué Neto, a Assembleia Legislativa transferiu para depois das eleições de outubro a instalação da CPI da Pedofilia. A decisão, segundo o deputado Luiz Castro, decepciona porque não haverá tempo suficiente para realizar, na atual legislatura, os trabalhos de investigação dos inúmeros casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes no Estado.

A CPI, que recebeu assinatura de 23 deputados favoráveis à sua instalação, e ainda passou pelo crivo da Procuradoria da Casa sob alegação de que precisava de um “parecer de legalidade”, estava agora a critério de decisão do presidente do Poder, segundo o próprio Regimento Interno da Casa. Mas, o deputado-presidente abriu mão da decisão, passando a responsabilidade para o colegiado de líderes que manteve a aprovação do requerimento de instalação da comissão, mas apenas pra depois das eleições.

O autor do requerimento, deputado Luiz Castro (PPS) se disse decepcionado com a decisão (ouvir áudio)