Com ausência de José Melo ao debate da Band Amazonas, Eduardo Braga expõe propostas e realizações

debate sem melo

Como anunciado antecipadamente pela assessoria de imprensa da coligação “Fazendo mais por nossa Gente”, o candidato à reeleição José Melo não participou do primeiro debate do segundo turno, realizado e transmitido pela TV Band Amazonas na noite desta quinta-feira (09/10). Um dos púlpitos no estúdio ficou vazio.

De acordo com a assessoria de imprensa de José Melo, o convite foi feito em cima da hora e sem regras definidas. A diretoria da TV Band Amazonas, contudo, esclareceu que a data e o horário para o debate no segundo turno já estavam registrados no TRE desde o primeiro turno, quando candidatos e representantes de coligações assinaram um documento concordando com as regras gerais.

Eduardo Braga agradeceu aos eleitores pela vitória no primeiro turno das eleições, ressaltando que o resultado mostra o descontentamento da maioria do eleitorado. “Tivemos duas grandes vitórias no primeiro turno das eleições. Primeiro, ganhamos. Segundo, pela primeira vez na História do Amazonas a eleição vai a segundo turno”, afirmou.

Braga apontou que faltar a um debate significa desrespeito com o povo. “O eleitor gostaria de confrontar as nossas ideias e analisar melhor nossas propostas”, disse o candidato, que pôde, com a ausência de seu adversário, expor com bastante tempo e clareza as ideias contidas em seu programa de governo.

No primeiro bloco, Eduardo Braga teve a oportunidade de falar sobre suas ideias para o crescimento econômico do Amazonas. O mediador do debate, que acabou se transformando em entrevistador, falou sobre a crise econômica brasileira e indagou sobre as possíveis ações para a economia do Amazonas. “Isso mostra o quanto é importante essa eleição. O Amazonas vai ter que lidar com uma realidade de crise no mundo. É preciso criar mais políticas de geração de emprego e renda na capital e no interior”.

A prorrogação da Zona Franca de Manaus também foi lembrada por Eduardo Braga como uma medida importante para a saúde econômica do Estado. “Esse foi um compromisso que a presidenta Dilma firmou e cumpriu com o Estado do Amazonas”, disse, acrescentando que é preciso fazer ajustes tributários para garantir a chegada de mais investimentos e permitir a criação de polos econômicos estratégicos no interior do Estado.