Com a confiança em Drogba, Costa do Marfim supera o Japão no Recife

comemoracao-costadomarfim-ap (1)

Didier Drogba deu mais uma demostração de que a Copa do Mundo é um torneio reservado aos craques. Poupado durante o primeiro tempo, por causa de dores na coxa, ele viu o Japão abrir o placar, com Honda, e a Costa do Marfim ficar atordoada em campo. Mas o banco de reservas não é o lugar para os ídolos. Gigante diante dos adversários, ele precisou apenas de cinco minutos em campo para virar referência e ver seus companheiros recuperarem a confiança. Com os gols de Bony e Gervinho, os marfinenses viraram para 2 a 1 e deixaram a Arena Pernambuco, no Recife, na noite deste sábado, com uma vitória que ficará marcada para os 40.267 torcedores que lotaram o estádio.

Nem mesmo a forte chuva que caiu no Recife foi capaz de calar os tambores da torcida marfinense. Empolgados, ela viu o time comandado por Droga em apenas um tempo, mas com a velocidade de Gervinho a seu serviço, iniciar bem a sua terceira participação num Mundial. Os marfinenses agora têm os mesmos três pontos dos colombianos, mas perdem no saldo de gols.

O Grupo C, que começou com a vitória da Colômbia sobre a Grécia, tem a segunda rodada marcada para a próxima quinta-feira, dia 19. Às 13h, a Costa do Marfim enfrenta os colombianos no Mané Garrincha, em Brasília, e o duelo pode selar o primeiro classificado às oitavas de final – fato inédito para os africanos. Mais tarde, às 19h, a Grécia encara os gregos na Arena das Dunas, em Natal.

Um lance de brilho do craque: gol do Japão

Uma seleção rápida, com velocidade no toque de bola e força ofensiva, mas frágil na marcação. Bastaram 20 minutos para que a Costa do Marfim desse voz a um dos  “clichês” relacionados ao futebol africano. Sem o artilheiro Didier Drogba, no banco de reservas, os Elefantes iniciaram a partida tentando fazer da velocidade do atacante Gervinho uma arma para superar o bem posicionado sistema defensivo do Japão.

A estratégia funcionou nos primeiros minutos. Funcionou até um lance de lucidez do meia Honda. Até então apagado, a estrela japonesa recebeu na entrada da área rival, passou fácil pela marcação e chutou no ângulo de Barry, para abrir o placar. O gol aos 16 minutos fez a seleção nipônica assumir o comando técnico da partida. Enquanto isso, Dorgba via seus companheiros insistirem em jogadas rápidas e esbarrem na falta de precisão dos passes.

Sem conseguir oferecer riscos ao Japão, os marfinenses passaram a investir nas jogadas individuais de Gervinho, que criou boa oportunidade ao ser derrubado por Okazaki na entrada da área. Mas Boka não conseguiu acertar o alvo na cobrança. Mas o lateral-esquerdo ganhou confiança para, aos 35, soltar uma bomba de fora da área e obrigar o goleiro Kawashima a fazer grande defesa.

O lance acordou a torcida da Costa do Marfim, que, mesmo em desvantagem no placar, passou a fazer mais barulho nas arquibancadas. Animados, os marfinenses partiram para cima e criaram algumas chances. Mas faltava aos africanos uma referência no ataque. A pressão, porém, não tirou a tranquilidade da seleção japonesa. Embora discreta e longe de mostrar um futebol brilhante, ela desceu para os vestiários com a vantagem no placar. E aliviada porque o rival optou por entrar em campo sem Drogba desde o início.

Drogba em campo: virada da Costa do Marfim

Em desvantagem no placar, a Costa do Marfim iniciou o segundo tempo tentando encurralar o Japão, que parecia ter no 1 a 0 o resultado ideal para o jogo. Sem forçar, os orientais tocavam a bola e viam os adversários errar passes ou falhar nas conclusões a gol. Mesmo tendo mais jogadas ofensivas, faltava algo aos Elefantes. Faltava Drogba.

Foi isso que pensou o técnico Sabri Lamouchi, que, vendo o seu time pressionar sem sucesso, tratou de colocar o camisa 11 em campo, aos 16 minutos. Não houve uma participação efetiva do craque, bastou apenas a sua presença para os marfineses ganharem confiança e, buscando a sua principal referência, arriscarem mais. Resultado: em cinco minutos, a virada.

Preocupada com a presença do artilheiro na área, a zaga japonesa não conseguiu evitar que, após o cruzamento de Aurier, Bony subisse mais para empatar a partida, aos 19. Dois minutos depois, foi a vez de Gervinho aproveitar mais um cruzamento de Aurier para, de cabeça, colocar 2 a 1 no placar. Com Didier em campo, os marfinenses inegavelmente mandavam no jogo. Os gols em sequência atordoaram o Japão.

Sem criatividade no meio de campo e diante de uma atuação discreta de Honda, os japoneses se curvavam diante da Costa do Marfim, que voltou a apostar nas jogadas laterais e bolas aéreas. Drogba quase deixou o dele, mas a bola desviou em Morishige antes de sair raspando a trave esquerda. A seleção africana ainda teve a chance de ampliar num contra-ataque de três contra dois, mas Gervinho segurou demais a bola em vez de rolar para Yaya Touré, que entrava livre, e acabou desarmado. Depois foi só segurar a bola, na experiência do camisa 11 e líder, e esperar o apito final.

Fonte: GE