Comitê da Saúde no AM terá participação de outros órgãos

Foto: Divulgação

O Comitê Interinstitucional de Gestão de Emergência em Saúde Pública para Resposta Rápida aos Vírus Respiratórios, com ênfase no novo Coronavírus, o COVID-19, será ampliado e terá a participação de outros órgãos públicos, além dos relacionados ao setor da saúde. A definição foi deliberada em reunião realizada nessa quinta-feira (13).

Durante a reunião, a diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), Rosemary Costa Pinto, apresentou o novo boletim epidemiológico do Amazonas e a atualização dos casos do COVID-19. “As mudanças ocorrem a todo instante e é preciso avançar também, por isso é importante a inclusão no comitê dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, Tribunal de Contas, Defesa Civil, Forças Armadas, Amazonastur, as secretarias de Educação, Casa Civil e Casa Militar, entre outros setores, com a finalidade de fortalecer as ações encaminhadas e garantir a execução da força tarefa quando houver necessidade”, ponderou.

O Comitê enviou na quarta-feira (12), para o Ministério da Saúde, o Plano de Contingência Estadual para Infecção Humano pelo novo cornavírus, COVID-1 do Amazonas.

Dados atualizados

A FVS-AM divulgou, nessa quinta-feira (13), a 6ª edição do Boletim Epidemiológico da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Estado do Amazonas, que corresponde à análise de notificação de novembro de 2019 até o dia 12 de fevereiro de 2020.

Segundo o boletim, foram notificados, até o momento, 170 casos de SRAG. Destes, foram confirmados 38 casos por vírus respiratórios, sendo identificados 15 casos provocados por Adenovírus, 14 casos de influenza B, quatro para Vírus Sincicial Respiratório (VRS), dois para Metapneumovírus, dois por Influenza A (H1N1) e um para Parainfluenza 1. Não há casos suspeitos de coronavirus no Amazonas.

Além disso, no total foram registrados, a partir de novembro, 23 óbitos por SRAG. Desses, nove foram por vírus respiratórios e 14 por outras síndromes respiratórias não virais. Dos nove óbitos, todos são residentes de Manaus, 3 por Influenza B, 4 Adenovírus, 1 Vírus Sincicial Respiratório (VRS) e 1 Metapenumovírus.

Ainda em relação aos óbitos, 77% apresentam pelo menos um fator de risco respiratório, com 71% respectivamente em pacientes idosos, cardiovasculares ou com diabetes, 42% pneumopatas e 14% em crianças de 1 a 4 anos.

(*) Com informações da FVS