Como manobras políticas não deram certo, Omar e seus aliados tentam barrar candidatura de Praciano na Justiça

omar-alfredo-kassab

A executiva estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) se manifestou, na tarde deste sábado (05/07), sobre a manutenção da candidatura do deputado federal Francisco Praciano ao Senado Federal pela chapa majoritária “Renovação e Experiência”. A secretária-geral do partido, Sila Mesquita, disse que o PT Amazonas vai lutar na Justiça pela candidatura de Praciano.

Sila Mesquita informou que uma advogada da executiva nacional do PT esteve em Manaus, na sexta-feira, para entrar com uma representação junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) solicitando que a executiva estadual retirasse a candidatura de Praciano para o Senado.

“Eles poderiam vir aqui e pedir a intervenção na executiva estadual, mas optaram por  entrar com uma representação no TRE solicitando que nós retirássemos a candidatura de Francisco Praciano para o Senado. Não concordamos com isso. Não vamos permitir que o adversário do Praciano ganhe essa eleição por ‘W.O.’”, afirmou a secretária-geral.

O adversário de Francisco Praciano é o ex-governador Omar Aziz (PSD). Assim como o Radar noticiou o ex-governador já utilizou todo tipo de expediente para tentar evitar a candidatura de Francisco Praciano para disputar com ele a única vaga ao Senado nas eleições desse ano. A primeira manobra eleitoral feita pelo ex-governador foi usar a influência política do presidente do seu partido, o ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, para pressionar a presidente petista Dilma Roussef, na tentativa de que ela “barrasse” a candidatura de Praciano. Kassab teria usado como moeda de troca o apoio que o PSD de São Paulo está dando à candidatura de Dilma.

Na tentativa de não ter Francisco Praciano como seu adversário nas eleições desse ano, Omar teria se unido até mesmo com outros políticos do Estado, em Brasília, como o senador e candidato a deputado federal, Alfredo Nascimento, do PR, de quem já foi inimigo político e que está em sua coligação encabeçada pelo governador José Melo. Essas alianças em Brasília, com pressão de grandes bancadas como a do PR e do PSD, é que estariam levando a Executiva do PT a tentar “sacrificar” a candidatura de Praciano, em troca de acordos partidários.

Decisão em Convenção

A secretária-geral do PT estadual, Sila Mesquita lembrou que, no dia 17 de maio, quando o PT decidiu a aliança com o PMDB para a eleição deste ano, a executiva estadual teve uma resolução, com a presença do presidente nacional do partido, Ruy Falcão, de que o PT participaria da chapa majoritária. “Por isso entendemos que não estamos infringindo o estatuto e nem as resoluções nacional e estadual. Na resolução estadual nós tiramos isso como meta, que o PT não teria candidatura para o Governo do Estado, mas não abriria mão para a chapa majoritária”, explicou.

“O presidente Ruy Falcão homologou, junto com a executiva estadual, em um encontro que contou com a participação de mais de 300 delegados, a resolução que garantiu a nossa participação no pleito com a candidatura majoritária. Pela primeira vez na história do partido no Amazonas todas as correntes se uniram em prol de uma candidatura: a de Praciano para o Senado Federal”, completou Sila Mesquita.