Anúncio

Como votaram os deputados do Amazonas na criação do fundo bilionário de campanha política com dinheiro público

Votando na calada da noite, como sempre fazem, e contando com o silêncio obsequioso de um povo que é bombardeado por notícias da Lava Jato e parece não atentar pra mais nada, assim foi criado no final do ano passado, um fundo eleitoral bilionário para bancar as campanhas políticas com recursos públicos. Na época, deputados federais e senadores só faltaram jurar sob a Bíblia – principalmente na bancada evangélica – que recursos da educação e da saúde seriam poupados na hora de destinar recursos para um fundo que atingiu um montante de R$ 1,75 bilhão.

Porém, levantamento feito pelo jornal “O Estado de S. Paulo” mostra que os “nobres” representantes do povo no Congresso Federal mentiram. Segundo o jornal, o fundo receberá R$ 121,8 milhões remanejados da educação e R$ 350,5 milhões da saúde.

Como alternativa à proibição das doações empresariais, os parlamentares acharam por direito usar dinheiro dos cofres públicos que seriam destinados às emendas de bancadas para gastos com as campanhas eleitorais deste ano.

Do montante de R$ 1,75 bilhão, R$ 1,3 bilhão sairá das emendas de bancada, cujo pagamento é obrigatório pelo governo, e R$ 450 milhões da isenção fiscal que seria concedida a rádios e TVs para veicular programas partidários.

A bancada do Amazonas na Câmara Federal não votou em bloco pela aprovação ou rejeição do Fundo Público de Campanha. Um parlamentar esteve ausente por motivo de doença, o deputado Sabino Castelo Branco (PTB); três votaram contra a criação do fundo com dinheiro público, a deputada Conceição Sampaio (PP), o deputado Alfredo Nascimento (PR) e o deputado Carlos Souza (PSDB). Teve ainda quem fizesse como Pilatos, lavasse as mãos e fugisse do plenário sem dar o voto para ajudar 209 parlamentares que também disseram não ao fundo, são eles, o deputado evangélico, Silas Câmara e os deputados Atila Lins e Hissa Abrahão que já anda sendo chamado de “fujão” – até rimou, né gente!

Um voto da bancada amazonense ajudou a fazer o total de 233 votos para aprovação do Fundo Público de Campanha, o do deputado-dono de construtora-líder do Fora Dilma, Pauderney Avelino, que não teve o menor constrangimento em dizer “sim”, ele vai fazer campanha com dinheiro público.