Compra de votos estaria rolando solta no interior e a PM fazendo vista grossa

COMPRA DE VOTOS

Com a chegada das primeiras denúncias aqui no Radar, até que resistimos em postar matéria porque, aqui no site, temos por norma nos cercamos de todas as provas, mas os fatos foram se avolumando, chegando de vários municípios do interior do Estado, e os cidadãos têm explicado que quem está à frente dessas negociatas se cerca de todos os cuidados pra não deixar rastro. Então decidimos tornar os fatos públicos e contar que a Justiça eleitoral vai cuidar do resto, vai mandar que sejam apuradas as denúncias.

Decidimos contar o que está acontecendo até porque existe um agravante – e bote agravante nisso – nas informações que chegam ao Radar. Segundo as denúncias, a polícia militar estaria fazendo vista grossa para a ação dos criminosos. E existe até mesmo uma denúncia que envolve um candidato que é da própria Polícia Militar. Leitores do Radar do município de Novo Airão dizem que estão recebendo propostas em suas próprias casas do pagamento de R$ 50, 00 (cinquenta reais) por eleitor com o compromisso de votarem em José Melo para Governo e Platiny Soares, candidato a deputado estadual –  presidente da Associação dos Praças do Estado do Amazonas (APEAM), licenciado para participar do pleito eleitoral .

Denúncias também chegam de Tapauá, onde a ação de compras de votos envolveria até mesmo o irmão do prefeito Almino Gonçalves, Ciro Gonçalves, coordenador do Cetam no município – aquele que apareceu em matéria aqui do Radar envolvido em outro crime eleitoral não muito diferente, o pagamento de motoqueiros que participaram da carreata de Melo e Omar na cidade. Desta vez, o pagamento seria de R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais) por família para a compra de votos. Sendo que esse valor poderia até aumentar dependendo do número de eleitores por família. Vale lembrar que o prefeito Almino Gonçalves é do PSD, partido do ex-governador e candidato ao Senado, Omar Aziz, e um dos correligionários do governador José Melo no interior.

De Parintins chegam denúncias de compra de votos com propostas feitas a eleitores por aliados do candidato a deputado estadual, Bi Garcia (PSDB), e ainda de partidários do prefeito Alexandre da Carbrás (PSD), onde os beneficiados seriam o próprio Bi Garcia para deputado estadual, Omar para o Senado e José Melo para governador. O voto chegaria a custar R$ 100 reais. No final de semana passado, foi presa pela federal, durante comício de Bi Garcia em Parintins, a empresária Ana Paula Perrone, com R$ 150 mil. Perrone é uma das coordenadoras de campanha de Bi Garcia e de Omar Aziz.

Também chegaram denúncias da compra de votos em Manacapuru onde estariam envolvidos até mesmo empresários ligados ao prefeito Angelus Figueira, que já prestaram serviços ao Governo do Estado. O voto estaria direcionado para Melo e Omar, com um valor que varia de R$ 50 a R$ 100 (cinquenta a cem reais). O mais grave disso tudo é que o povo diz que nem adianta denunciar à polícia. “Corre o risco é de você acabar sendo preso ou até coisa pior”, diz cidadão de Tapauá. (Any Margareth)