Conheça o taxista de Liverpool louvado por impedir ataque terrorista

Imagem sem data de David Perry publicada em uma rede social — Foto: Reprodução/Facebook

Jornais do Reino Unido e líderes políticos exaltaram a coragem de David Perry, o motorista de táxi que conseguiu evitar um atentado terrorista em um hospital de mulheres na cidade de Liverpool, no domingo (14).

“O caso ainda está sob investigação, então não posso comentar os detalhes ou dizer exatamente que tipo de incidente foi, mas parece que o taxista em questão se comportou com incrível coragem”, afirmou Boris Johnson, o primeiro-ministro do Reino Unido. Veja momento da explosão no vídeo abaixo:

Um passageiro de Perry tentava levar uma bomba caseira para um hospital, mas o artefato explodiu dentro do carro assim que o motorista encostou na frente da entrada do edifício.

A polícia classificou o incidente como um ataque terrorista.

Emad Al Swealmeen, o passageiro, morreu na explosão. Ele havia embarcado no táxi e pediu para ser levado ao hospital – era uma corrida de cerca de 10 minutos.

O taxista conseguiu escapar segundos antes do carro ser tomado pelas chamas do fogo da explosão.
A esposa, Rachel Perry, afirmou que ele tem sorte de estar vivo: “A explosão aconteceu quando ele estava no carro, e como ele conseguiu escapar é um milagre”. O taxista chegou a ser hospitalizado, mas já teve alta.

De acordo com o “Daily Mail”, o motorista percebeu que o passageiro era um suspeito e o trancou no táxi antes de escapar. Essa informação não foi confirmada pela polícia antiterrorismo, no entanto.

Elogios da prefeita e do primeiro-ministro

“Parece que o motorista de táxi em questão se comportou com uma incrível presença de espírito e coragem”, afirmou o primeiro-ministro Boris Johnson.

A prefeita de Liverpool, Joanne Anderson, disse que os esforços heróicos do taxista evitaram o que poderia ter sido um desastre terrível.

O Reino Unido elevou o nível de ameaça ao terrorismo do país para grave na segunda-feira (15) –é o segundo nível de alerta mais grave.

“Estamos aumentando o nível de ameaça de ‘importante’ para ‘grave'”, disse o Ministro do Interior, Priti Patel, na televisão, observando que os eventos em Liverpool foram o segundo ato considerado terrorista após o assassinato do parlamentar David Amess, um mês atrás.

Esse nível de ameaça significa que o risco de um ataque é considerado “altamente provável”.

O povo britânico “nunca será intimidado pelo terrorismo”, declarou o primeiro-ministro Boris Johnson nesta segunda-feira. “Nunca cederemos àqueles que querem nos dividir com atos tolos.”

Na noite de domingo, a polícia antiterrorismo relatou a prisão de “três homens de 29, 26 e 21 anos” sob a “lei do terrorismo” na área de Kensington. Nesta segunda-feira, a polícia anunciou a prisão de um quarto homem de 20 anos.

As razões para este “ato de terrorismo” ainda não são conhecidas, disse Russ Jackson, chefe da polícia antiterrorismo no noroeste da Inglaterra.

Artefato artesanal

Os investigadores acreditam que o dispositivo explosivo foi fabricado pelo passageiro. Buscas estavam sendo realizadas nesta segunda-feira em dois locais onde o suspeito teria morado.

A explosão ocorreu durante o feriado do “Dia da Memória” no Reino Unido, que homenageia as vítimas da guerra. A algumas centenas de metros de distância, soldados, veteranos e membros do público se reuniram para uma homenagem na Catedral de Liverpool.

A polícia não sabe se a explosão também teve como objetivo as comemorações. De acordo com a mídia local, que citou investigadores e amigos do taxista, outra versão é que o passageiro queria ir primeiro à catedral, mas como algumas ruas estavam fechadas, o motorista teve que passar em frente ao hospital.

“Não podemos estabelecer uma conexão neste momento, mas é uma linha de investigação que estamos explorando”, declarou Jackson em entrevista coletiva nesta segunda-feira.

A investigação está a cargo da polícia antiterrorista, com o apoio do serviço de inteligência MI5, segundo a BBC.

Por sua vez, o presidente do Partido Conservador, Oliver Dowden, disse que o ocorrido “nos lembra que a ameaça do terrorismo não desapareceu”.

A polícia local explicou que recebeu um alerta de explosão no domingo por volta das 11h, horário local, e que interveio rapidamente.