Conquistas paratletas mostram inclusão de PCD no Amazonas

Nesta terça-feira (3) é comemorado o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, data criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1992 para que a população mundial se conscientizasse sobre a importância da inclusão da pessoa com deficiência na sociedade. E, para comemorar esse dia, a Secretaria de Estado de Educação de Desporto destaca histórias de paratletas amazonenses, que se destacaram no esporte ao longo do ano.

O Centro de Treinamento de Alto Rendimento do Amazonas (CTARA), é um parceiro na causa e já revelou nomes que se destacaram em modalidades como atletismo, tênis de mesa, halterofilismo, badminton, entre outras. O Centro atende hoje 28 paradesportistas, que recebem além de apoio técnico, atenção de uma equipe multidisciplinar com nutricionistas, fisioterapeutas e outros especialistas.

Dois nomes de destaque e que trouxeram resultados históricos para o Amazonas em 2019 foram os jovens Mikaela Almeida e Lucas Santos. Ambos participaram dos jogos Parapan-Americanos em Lima, no Peru, e voltaram para casa com duas medalhas. Mikaela, de apenas 16 anos, conquistou a medalha de ouro no Parabadminton, sendo a primeira atleta brasileira a trazer uma medalha na modalidade.

Outro nome que vem superando os limites impostos pela deficiência física com a qual nasceu em uma das pernas é o halterofilista Lucas Santos. Com apenas 17 anos, Lucas conquistou o bicampeonato Mundial em julho, no Cazaquistão, quebrando o recorde das Américas, ao levantar 126kg no supino, e voltou para a casa com uma medalha de bronze no Parapan-Americano.

O jovem manda um recado para quem, assim como ele, enfrenta algum tipo de deficiência. “Temos que mostrar para crianças e jovens que podemos tudo. Eu nasci com deficiência e falaram para minha mãe que eu só ia sobreviver se Deus quisesse. Estou vivo até hoje e pretendo inspirar muita gente”.

Mais exemplos

No atletismo o Amazonas também é sempre representado por um elenco de alto nível. No último Circuito Brasil Loterias Caixa do Campeonato Brasileiro de Atletismo, que ocorreu em São Paulo no mês de setembro, o paratleta Gerson Luiz de Oliveira, que disputou provas na classe T44, para atletas com amputação simples (uma perna), ficou em 1º lugar nos 800 metros.

Técnico da equipe de paratletismo, Sérgio Nazareno, falou sobre a felicidade e a realização que sente em poder contribuir nos resultados desses talentos do esporte. “É uma troca de experiência mútua. Eles são muito fortes, dedicados, não faltam a um treino. Lógico que tem alguns deles cujo tempo precisamos respeitar, mas me orgulha muito fazer parte da história de vida e superação de cada um”.

As conquistas do Amazonas não ficaram restritas aos atletas profissionais. A delegação estadual que esteve presente nas Paralímpiadas Escolares, realizadas no final do mês de novembro em São Paulo, retornou para casa com um recorde de medalhas.

Foram 45 no total, marca até então que não havia sido atingida pelo estado na competição. Somente no atletismo, cinco recordes foram quebrados, nessa que foi a 12ª participação do Amazonas no torneio.

O diretor-presidente da Fundação Amazonas de Alto Rendimento, Caio André de Oliveira, ressalta o compromisso do governo em apoiar os paratletas e, consequentemente, a inclusão das pessoas com deficiência no esporte, promovendo a dignidade e o respeito aos direitos desses cidadãos.

“O nosso centro de treinamento realiza esse belíssimo trabalho com os paratletas, e nos sentimos orgulhosos demais por cada evolução e conquista deles. Quero enfatizar a disposição do Governo e a atenção que é dirigida a essas pessoas, que nos honraram em inúmeras competições, levantaram o nome do estado. É nossa função garantir que elas tenham uma vida normal, com seus direitos respeitados”.

Com informações da assessoria de imprensa