Corinthians espera ‘jogo físico’ na Colômbia após enorme desgaste no Brasileirão

Reprodução

Depois de ter sido totalmente dominado no primeiro tempo, o Corinthians deu a volta por cima na etapa final e venceu o Fortaleza por 1 a 0 neste domingo. Com o resultado, o time de Vítor Pereira alcançou a liderança do Campeonato Brasileiro. A vitória difícil, no entanto, traz prejuízos em outras competições.

O treinador Vítor Pereira reconheceu que teve de manter atletas que seriam poupados pensando no jogo diante do Deportivo Cali, quarta-feira, pela Libertadores, fora de casa.

“Aqui no Brasil, sequer temos tempo para estar doentes. Acabei o jogo, amanhã já vamos viajar, está louco, o calendário não nos permite respirar um bocadinho. Ganhamos, vamos desfrutar um bocadinho… Não! Já vamos pensar no jogo contra o Cali. Antes desse jogo, já tive que pensar no jogo contra o Cali, mas hoje não consegui fazer a gestão que eu queria, pois no primeiro tempo tivemos mais dificuldades do que aquilo que imaginei.

A gestão não foi como eu queria. Queria ter tido a oportunidade de gerir o Willian e o Maycon, e não foi possível”, afirmou o treinador em entrevista coletiva na Neo Química Arena.

O Corinthians lidera o Grupo E da Libertadores, com seis pontos, dois a mais que Deportivo Cali e Always Ready; o Boca Juniors é o lanterna com três. As próximas duas partidas serão fora de casa. Além de enfrentar o time colombiano na quarta-feira, a equipe alvinegra vai encarar o Boca Juniors no dia 17, na Argentina. Com o desgaste de Willian e Maycon, os melhores em campo na vitória sobre o Fortaleza, Vítor Pereira provavelmente vai ter de mexer novamente na equipe.

“Agora vamos ter que pensar no Cali, que vai ser duro, muito físico, vamos a partir de hoje pensar nesse jogo. De fato, a gestão não foi como eu queria”, disse o treinador.

Outro problema que a comissão técnica terá de administrar é a contusão de Paulinho, que foi substituído com suspeita de entorse no joelho esquerdo. O jogador está otimista e deixou o estádio caminhando, sem proteção no joelho. “Pelo que eu conheço da minha condição, acredito que não tenha sido grave, mas precisamos esperar os exames dos médicos”, disse o jogador de 33 anos.