Cozinha comunitária: lá não tem só comida de graça, tem educação

O Radar esteve com o prefeito em exercício, Marcos Rotta, em visita a cozinha comunitária Padre Ludovico Crimella, na Colônia Antônio Aleixo, e conheceu um projeto que, segundo Rotta, não tem a função de levar apenas comida a quem tem fome, mas fazer essa comunidade ter acesso a uma gama de serviços públicos, como assistência social e educação.

Na questão alimentar, Rotta apontou a importância da distribuição de mais de 200 refeições por dia numa comunidade que possui carência nutricional. “São vários empresários que fazem a doação de muito boa vontade, não querem nem aparecer como doadores. As cozinhas comunitárias funcionam de segunda a sexta”, explicou.

Mas, destaca Rotta, que os serviços da prefeitura naquela comunidade não se resumem em dar comida a quem necessita. Em coro com o prefeito, o secretário da pasta da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh), Elias Emanuel, explicou: “Nós também realizamos atividades de interação com a comunidade, nós temos um ambiente de ludoteca.  Em quatro das seis cozinhas comunitárias da Prefeitura, há parceria com a Semed e está sendo desenvolvido um programa de alfabetização para adultos, principalmente para aqueles que têm mais de sessenta anos”.

Elias Emanuel, disse que a cozinha comunitária não é apenas uma ferramenta da gratuidade do alimento, ela é um instrumento de transformação social por meio do conhecimento”. Ele lembrou ainda que as cozinhas também oferecem cursos do reaproveitamento dos alimentos que, costumeiramente são jogados no lixo.

“Os alunos e alunas descobrem que, por exemplo, com a casca do jerimum você pode fazer um doce, com a casca da banana também, com a semente do jerimum dá pra fazer farofa, com a casca da batata, também dá pra fazer farofa. Você aprende, por exemplo, a fazer tapioca com couve, com beterraba, com raspa de cenoura – euzinha até batizei de tapioca fitness.

Rotta disse que faz questão de acompanhar de perto o projeto das cozinhas comunitárias e o que tem visto é gratificante. “ Tudo aquilo que ia pro lixo, agora é reaproveitado pelas mãos maravilhosas das nossas cozinheiras, transformando-se em alimento saudável da cozinha amazônica. Por isso eu faço questão de visitar essas ações sociais, primeiro pra valorizar o trabalho importante que a ação social da Prefeitura faz, segundo porque é bom aproveitar toda a publicidade que temos num evento com esse para conclamar cada vez mais voluntários, mais empresas, mais empresários pra que venham conhecer o projeto que, a partir do momento que conhecerem, não tenho dúvida nenhuma que verão o grande alcance social que estamos empreendendo aqui”, argumentou Rotta

Ele explicou ainda que, por trás da cozinha comunitária tem uma UBS e, ao lado, tem um prédio, onde era desenvolvido um projeto social com o apoio da Petrobrás, “Um prédio aqui ao lado, onde tem inclusive um sitio arqueológico, com urnas indígenas ali, uma área muito rica em história, e vamos desenvolver um trabalho cultural, mas também fazer um CRAS para atender o pessoal da comunidade ribeirinha que não tinha nenhum tipo de atendimento nessa área social” afirmou Rotta, anunciando que um Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) deve ser inaugurado no dia 11 de maio. (Any Margareth)