CPI da Asfixia vs CPI da Pandemia: Serafim Corrêa e Sinésio Campos assinam apenas a CPI do delegado Péricles

Deputados classificam CPI da Pandemia como “genérica” e que traz “temas dispersos” e declaram apoio à CPI do bolsonarista delegado Péricles

 

Nesta terça-feira (6), durante a sessão plenária da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), os deputados estaduais Serafim Corrêa (PSB) e Sinésio Campos (PT) que nunca se dispuseram a assinar o requerimento de autoria dos deputados Wilker Barreto e Dermilson Chagas, ambos do Podemos, para instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar como e onde foram usados os recursos destinados ao combate a pandemia, decidiram dar apoio e assinar o requerimento de autoria do deputado delegado Péricles (PSL) para abertura de outra CPI.

A CPI proposta pelo deputado bolsonarista delegado Péricles propõe que o alvo da investigação se concentre na falta de oxigênio que matou dezenas de amazonenses no início deste ano, o que na linguagem legislativa de abertura de uma CPI se denomina como “fato determinado”.

O deputado estadual Serafim Corrêa salientou a parceria histórica entre seu partido e o PT, de Sinésio Campos, e explicou sua decisão de assinar a CPI do deputado delegado Péricles pela a necessidade da instalação da CPI sem tratar de “temas dispersos”.

“Como todos sabem, PSB e PT, tem uma larga tradição de atuarem em conjunto. Tanto eu quanto o deputado Sinésio entendemos que temos a necessidade de instalar a CPI. Todos os fatos relatados até aqui são graves. Mas nós entendemos que existe um fato mais grave, que havia sendo discutido e debatido de forma dispersa (falta de oxigênio)”.

O deputado estadual petista Sinésio Campos, também declarou, sem citar nomes, que a proposta de CPI de Wilker Barreto traz “pontos genéricos”, acrescentando: “a partir do momento em que uma CPI trata de pontos genéricos, ela não irá chegar a lugar nenhum. Quer somente discutir tudo e não resolver nada.” E também afirmou que a CPI do deputado Péricles cumpre com a proposta de prezar pelas mortes dos amazonense”.

Manobra a favor do governador

Em tom de indignação, o deputado Wilker Barreto disse não entender como os colegas de Parlamento conseguem ver que apenas a falta de oxigênio como algo a ser investigado durante todo o período de pandemia no Amazonas. Wilker lembrou que não houve só a falta de oxigênio, como também a falta de médicos, de leitos de UTI, de medicamentos, e tantos outros problemas que deixaram visível o caos na saúde pública, enquanto o governo de Wilson Lima fechava contratos milionários com visíveis sinais de irregularidades.

“É isso que vocês chamam de fatos “genéricos”?”, questionou Wilker. Ele lembrou ainda que o próprio presidente Bolsonaro, do qual o deputado delegado Péricles é correligionário político, quis saber onde foram investidos os milhões destinados a pandemia.

O outro autor da CPI da Pandemia, deputado Dermilson Chagas, fez entender que, na sua opinião, está claro que está ocorrendo uma manobra a favor do governador Wilson Lima. “Eu não tenho qualquer vaidade de assinar uma CPI de sua autoria, disse Dermilson se dirigindo à Péricles, não custava o senhor conversar, dizer que tinha algo errado no meu requerimento de CPI e eu corrigia, mas tá na cara que o senhor não queria corrigir nada, o senhor só queria esvaziar a CPI da pandemia”, argumentou Dermilson.

O requerimento de Wilker Barreto e Dermilson Chagas, já possui sete assinaturas, e caso tivesse sido assinada por mais um deputado seria instalada, mas se depender da base governista e agora até mesmo dos deputados Serafim Correa e Sinésio Campos parece que será esvaziada e substituída pelo requerimento do deputado delegado Péricles. Os deputados que assinaram foram Wilker Barreto (Podemos); Dermilson Chagas (Podemos);Nejmi Aziz (PSD);Delegado Péricles (PSL);Roberto Cidade (PV);Ricardo Nicolau (PSD) e Fausto Junior (MDB).