CPI da Covid-19: num aguento mais ver os caras nos chamando de idiotas!

Fotos: Pedro Ladeira Agência Senado

Sabe gente, pra alguém como eu que ainda não perdi a capacidade de me indignar tem sido uma das tarefas mais difíceis ver as sessões da CPI da Covid-19 instalada no Senado Federal com a missão principal, mas não única, de investigar as ações e omissões do governo de Messias Bolsonaro durante a pandemia.

É nessas horas que se torna quase insuportável ser jornalista porque temos o dever de ofício de ver essas reuniões da CPI da Covid-19 e ainda escrever sobre isso. Certos depoimentos me causam até reações físicas como dor de cabeça e náuseas. Algumas vezes, confesso, tenho vontade de atravessar o monitor da TV e dar um esculacho público em certos caras, porque temos sido chamados de idiotas todos os dias. E, comigo, nem como cidadã, nem como repórter, ofensas não ficam sem resposta.

Acredito que não sou só eu que tenho me sentido dessa forma diante do festival de mentiras que tem se transformado a CPI da Covid-19. E o pior é que todo mentiroso também é prepotente e arrogante, visivelmente ele acredita que pode mentir porque, quem está vendo é burro, num entende nada mesmo, seja sobre coronavírus, Covid-19, medicamentos, vacinas ou qualquer outro tema relacionado à pandemia. “E sabe como é né, gente burra acredita em tudo que os outros dizem, principalmente quem está no Poder, quem eles chamam de ‘autoridade’”, tenho certeza que esse é o pensamento arrogante dos mentirosos que depõem na CPI.

E é incrível ver como os caras (e as mulheres também) são profissionais na mentira. Mesmo confrontados com documentos, áudios, fotos e até vídeos que desmentem suas declarações à CPI, não parecem se abalar. Os mais experts na mentira, sequer gaguejam ou ficam vermelhos de vergonha, mesmo diante da constatação de que uma imediata ação sua, como ministro da Saúde, especialista em logística e general das Forças Armadas teria solucionado, nem que fosse temporariamente, a falta de oxigênio nas unidades de saúde do Amazonas e salvado dezenas de amazonenses.

Nos deixa boquiabertos em frente a TV algo que pode ser denominado até de “qualificação técnica” do mentiroso, eles fazem caras e bocas como numa performance teatral. São tão especialistas na mentira que têm até assessoria para espalhar a mentirada através das redes sociais. “Pode passar a mentira que o povão acredita”, dizem eles.

Eles repetem uma estratégia de dominação popular que não é nova. Todos os homenzinhos medíocres, desprovidos das caraterísticas de um grande líder, usaram (e ainda usam) a mentira pra conseguir apoio cego e desmedido da população de seus países. É exatamente por isso que todos os déspotas, sem exceção, odeiam a imprensa e determinam o fechamento de veículos de comunicação. Pra surtir efeito, pra virar uma verdade, uma mentira não pode ser contestada e isso é exatamente o que faz um jornalista.

E esse talvez seja um dos motivos pelos quais ainda resisto às náuseas e assisto a quase todas as reuniões da CPI da Covid – de vez em quando tem que dar um tempinho pra tomar um antiácido e respirar um pouco. Vejo, escrevo, comento e dou o troco para todas as vezes que os mentirosos profissionais nos chamam de idiotas.