CPI da Covid vai escutar Pazuello e Mandetta na próxima semana

ex-Ministro Pazuello/ Foto: Igor Estrella

Ex-ministro Pazuello/ Foto: Igor Estrella

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 vai ouvir, já na próxima semana, os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM), Nelson Teich e Eduardo Pazuello, além do atual chefe da pasta, o cardiologista Marcelo Queiroga.

O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM); o vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP); e o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), batem o martelo, nesta quinta-feira (29/4), sobre as datas. A partir das 9h, a comissão se reúne para analisar o plano de trabalho.

O ex-ministro da Saúde general Eduardo Pazuello deverá ser ouvido na quarta-feira (5/5). Ele esteve à frente da gestão na pasta por cerca de 10 meses, entre maio de 2020 e março de 2021, e saiu bastante criticado pela condução da pandemia.

Já os depoimentos de Mandetta e Teich ocorrerão na terça-feira (4/5) e o de Queiroga, na quinta-feira (6/5).

Também na quinta, deverá prestar depoimento o diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres. O ex-secretário de Comunicação (Secom) da presidência da República, Fabio Wanjgarten, será ouvido no dia 11 de maio.

Randolfe explicou que esse foi o roteiro definido pelo comando do colegiado na noite dessa quarta-feira (28/4). “Foi o que a direção da CPI debateu e pretende apresentar nessa reunião aqui com os colegas. A convocação ocorrerá na condição de testemunhas, todos eles”, disse.

O vice-presidente da CPI criticou também as tentativas da base aliada governista de negociar trocas nas convocações. “Não cabe barganha”, disparou o senador.

A convocação na condição de testemunha é estratégia do comando da CPI para evitar que os convocados façam uso do direito de permanecer em silêncio durante as oitivas da comissão.

De acordo com reportagem de Caio Junqueira, da CNN, já há uma lista das 19 primeiras pessoas a serem ouvidas pela comissão.

  • Luiz Henrique Mandetta, ex-Ministro da Saúde
  • Nelson Luiz Sperle Teich, ex-Ministro da Saúde;
  • Eduardo Pazuello, ex-Ministro da Saúde;
  • Marcelo Antônio Cartaxo Queiroga Lopes, Ministro da Saúde;
  • Presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI);
  • Presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM);
  • Presidente da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib);
  • Sra. Margareth Maria Pretti Dalcolmo, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz);
  • Presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass);
  • Presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems);
  • Nísia Trindade Lima, Presidente da Fiocruz;
  • Dimas Tadeu Covas, Diretor do Instituto Butantan;
  • Presidente da Pfizer Brasil;
  • Marcellus Campelo, Secretário de Estado de Saúde do Amazonas;
  • Shádia Hussami Hauache Fraxe, Secretária Municipal de Saúde de Manaus;
  • Francisco Ferreira Máximo Filho, Coordenador Geral do Comitê de Crise no Amazonas;
  • Mayra Isabel Correia, Secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde;
  • Luiz Otávio de Franco Duarte, ex-Secretário de Atenção Especializada à Saúde do Ministério da Saúde;
  • Hélio Angotti Neto, Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos em Saúde do Ministério da Saúde