CPI da Saúde: cadê o Deodato?

Sabe aquelas perguntas que não querem calar? Que vira e mexe ficam batucando na cabeça da gente? Têm perguntas que não me saem da cabeça desde que a Comissão Paramentar de Inquérito (CPI) da Saúde começou a investigar os indícios de desvio de recursos da saúde pública do Estado, centrando num primeiro momento no que pareceu mais gritante, os processos indenizatórios pagos há anos para uma empresa denominada Norte Serviços Médicos, que é daquelas chamadas de “faz tudo” – na linguagem de euzinha, empresas que parecem aquele quadros de programa de auditório, “topa tudo por dinheiro”.

Os olhos dos parlamentares se voltaram quase que imediatamente para a Norte Serviços por causa do serviço de lavagem de roupa do Hospital de campanha Nilton Lins, sem o devido processo legal e sem comprovação da devida prestação de serviço – será que estavam lavando outra coisa, gente? E quanto mais a CPI da Saúde foi mexendo nessa história, mas foram aparecendo indícios de irregularidades.

Mas aí, coisas que eu considero estranhas começaram a acontecer e, quem não concordar comigo, que me prove o contrário. A investigações da CPI da Saúde miraram na atual gestão estadual, no governo de Wilson Lima – aplausos pros membros da CPI! – e depois voltaram a mira dos interrogatórios e investigações para os servidores da Secretaria de Estado da Saúde (Susam) nos 144 dias do governo de David Almeida – continuo aplaudindo!

E foi aí, que as perguntas que não querem calar começaram a aparecer pela primeira vez, afinal, entre um ano e oito meses de governo de Wilson Lima e quase cinco meses do governo interino de David Almeida, tem um ano e três meses de Amazonino Mendes. Por que pulou? Pulou por quê? De 2019 foi parar em 2017, convocando servidores e secretários dessas gestões. Mas cadê o ex-secretário de Saúde do governo de Amazonino Mendes, Francisco Deodato? Não vai ser ouvido não?

E há quem possa dizer: Deodato não foi convocado porque não tem o que explicar! E parafraseando cumpadre Washington, euzinha digo: sabe de nada inocente! O governo de Amazonino Mendes foi o que mais pagou para a Norte Serviços Médicos, inclusive para serviços de lavanderia- maternidade Balbina Mestrinho-, serviços estes que, como já disse antes neste texto, foi o primeiro indício de ilegalidade que chamou a atenção da CPI da Saúde, na contratação da Norte Serviços, com recursos da saúde, no governo de Wison Lima.

Mais aí, quando eu pensava, que as perguntas que não querem calar iam ter respostas, lá vêm mais coisas estranhas acontecendo. Francisco Deodato estava convocado pra prestar depoimento à CPI da Saúde na quinta-feira (19), mas o depoimento foi suspenso. A explicação dada pela assessoria de imprensa do presidente da CPI da Saúde, deputado delegado Péricles, para o cancelamento do depoimento do ex-secretário Deodato foi de que a convocação dele tinha se dado por conta das declarações da ex-secretária executiva da Susam, Maria de Belém, que apontou procedimentos irregulares adotados para pagamento da Norte Serviços durante a gestão de Deodato na Susam.

Só que as declarações de Maria de Belém teriam sido desmentidas por outra funcionária da Susam, a agente administrativa do setor financeiro, Priscila de Castro. Por isso, segundo a assessoria do deputado Péricles, vão aguardar até levantar mais informações, inclusive junto ao Bradesco, sobre os pagamentos feitos a Norte Serviços.

E, enquanto isso, as perguntas continuam no vácuo! Como e por que foram pagos durante pouco mais de um ano, mais de R$ 10 milhões a Norte Serviços? Quem vai explicar isso? Francisco Deodato vai ser questionado? Quem sabe depois das respostas para as perguntas que não querem calar eu possa aplaudir mais uma vez!