CPI do BNDES remarca depoimento de Bumlai para a próxima terça-feira; ele foi preso em Brasília

Rotta 24 A

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga supostas irregularidades em contratos e financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) remarcou o depoimento do empresário e pecuarista José Carlos Bumlai para a próxima terça-feira, 1º, às 14h30.

Bumlai deveria ter comparecido a audiência nesta terça (24), mas foi preso em Brasília, em operação da Polícia Federal no âmbito da Lava-Jato. O depoimento ocorrerá na Câmara, já que o deslocamento do pecuarista de Curitiba à Brasília foi autorizado pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava-Jato.

Durante a audiência de hoje, o presidente da Comissão, deputado federal Marcos Rotta (PMDB-AM), elogiou a postura de Moro. “O juiz Sérgio Moro foi extremamente gentil, cavalheiro e elegante na maneira com que tratou esta comissão. Ele demonstrou o respeito que tem pela Câmara e pelos integrantes da comissão”, ressaltou Rotta, após ler o ofício em voz alta.

Em ofício enviado logo cedo à CPI, Moro explicou que, “por questões operacionais, que fogem ao controle do Juízo”, a prisão ocorreu no mesmo dia em que Bumlai seria ouvido pelos parlamentares.

O juiz pediu “escusas pelo ocorrido” e declarou que o empresário estava à disposição para depor em nova data. Prorrogação – Os deputados também debateram a possibilidade de prorrogação das atividades da CPI do BNDES. Para Marcos Rotta, a extensão do prazo é fundamental para a conclusão do relatório e para manter as oitivas e visitas já aprovadas pelos parlamentares.

O presidente da comissão pediu apoio aos líderes partidários que integram a CPI para a extensão do prazo, a ser decidida pelo colegiado de líderes da Câmara.