Crianças dormem pelo chão junto com seus pais em busca de atendimento da defensoria pública

As filas começam a se formar às 4h da manhã. É assim todo dia para quem precisa de atendimento da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) no posto de atendimento do Shopping Cidade Leste, na Av. Autaz Mirim, no bairro do Tancredo Neves, zona Leste de Manaus. As imagens, captadas pelo Radar, chocam quem tem um mínimo de sensibilidade ao ver pessoas debaixo do sol e da chuva, e crianças dormindo com seus pais no chão.

Mas o que exigir de um governo que, na sua pauta de investimento, tem a população em último lugar e os grandes empresários e empreiteiros em primeiros na lista?
Exemplo disso é ver que o orçamento da DPE-AM para o ano de 2017 encolheu R$ 4,1 milhões de reais. Segundo o Portal da Transparência do governador José Melo (que de transparente num tem nada, né gente), no ano passado a DPE-AM tinha de orçamento R$ 70,8 milhões, enquanto que para este ano o valor caiu para R$ 66,7 milhões.

Quem sabe não esteja na falta de recursos o motivo para que a Defensoria Pública não faça, como acontece em vários outros órgãos estaduais, o agendamento eletrônico. O Radar questionou a Defensoria Pública sobre as razões para que essas pessoas tenham que chegar na fila ainda de madrugada e passar por todo esse sofrimento (principalmente as crianças) para conseguirem atendimento da defensoria pública. Segundo a DPE ainda tiveram que buscar uma “consultoria especializada em gestão” – só faltava isso ter sido pago, né meu povo? – para saber o óbvio: já que há poucos defensores públicos pra muita gente, então tem que haver um pré-agendamento onde só esteja marcado pra atendimento um determinado número diário de pessoas. Mas, está aí, a resposta da DPE na íntegra:

“A Defensoria Pública do Estado já está tomando medidas para melhorar o atendimento na unidade da instituição no Shopping Cidade Leste. A DPE-AM, por meio de uma consultoria especializada em gestão, já realizou um diagnóstico do atendimento em todas as unidades da Defensoria Pública para, a partir desse estudo, implantar um sistema de atendimento melhor adequado à grande demanda”, diz a nota da DPE-AM.

E como não dá para o Radar de euzinha deixar de questionar certas coisas, queria saber cadê o vice-governador, Henrique Oliveira, que esteve no atendimento da DPE durante mutirão carcerário, para fazer pose e dar entrevistas, dizendo que o Governo Melo tem dado apoio as ações da defensoria?

PATINHO FEIO

Basta uma olhada com mais atenção no Portal da Transparência para perceber que o dinheiro do Governo vai mais pra quem atende menos.

Em 2017 o Ministério Público do Estado (MPE-AM) vai ter R$ 215 milhões de orçamento; a Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE) receberá R$ 237,7 milhões; a maior fatia fica pro Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ) com R$ 493,3 milhões; enquanto que o patinho feio do governo é a Defensoria Pública que terá R$ 66,7 milhões para trabalhar este ano.

E há quem diga que a grande parcela desses recursos vai pra atendimento público! Pois eu digo sem medo de errar (é só fazer uma simples conta dos gastos com pessoal. O grosso do dinheiro desses orçamentos será usado para pagar os altos salários de juízes, promotores, desembargadores, conselheiros, defensores, deputados e suas regalias.

O povo, esse sim vai continuar nas filas esperando um atendimento mais humanizado. Que só virá depois de muita reclamação. (Da equipe do Radar)