Crianças sofrem fazendo quimioterapia em enfermarias sem climatização, no Hemoam. (ver vídeos)

Os vídeos só me fizeram lembrar do discurso do governador, professor José Melo, no município de Nova Olinda do Norte, quando ele disse que o “o social feito por sua mulher (primeira-dama Edilene) tinha muita grana” e que, por isso, ela garantiu que ele (Melo) poderia prometer diesel para o funcionamento de uma balsa. Mas o mesmo “social” da primeira-dama, não garante que crianças doentes, assim como pacientes adultos, tenham um tratamento humano no Fundação Hospital de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam).

Em cenas revoltantes, feitas na enfermaria de crianças, mães aparecem abanando seus filhos com pedaços de papelão. “A gente apela pro Poder Público pra ver se dar uma força pra nós, pros nossos filhos, que estão sofrendo na quentura. Isso quando não dá queda de energia que fica tudo escuro a noite”, conta um parente de uma das crianças, enquanto grava o vídeo.  Os pacientes têm doenças graves como linfomas (tumores malignos) e leucemia e estão sob tratamento de quimioterapia. Pense como deve ser terrível, estar recebendo uma “bomba” de medicamentos fortíssimos, em um lugar onde está fazendo forte calor.

Na enfermaria de adultos, a situação é quase a mesma, com a diferença de que há alguns ventiladores. “Tomando quimioterapia na quentura, propício a bactéria, usando bermuda, porque não tem condições de ficar aqui dentro, num padrão de roupa, de calça comprida, porque é muito quente aqui dentro, quente demais (…) Nós estamos gritando aqui, pelo amor de Deus, que nos ajude”, apela a pessoa que gravou o vídeo.

Pois é esse sofrimento que está sendo imposto pelo propagandeado “Governo das pessoas”, bem no horário nobre das emissoras de TV, onde um minuto não custa menos que R$ 15 mil reais – o Radar tem a tabela de preços da TV Amazonas, tá? Com esse dinheiro gasto em propaganda dava pra climatizar não só essas, mas várias enfermarias, não é mesmo meu povo? E enquanto o Governo de Melo pagou mais de R$ 120 milhões para Mouhamad Mustafá e seu bando, e continua pagando milhões pra empresa que “administra” presídios, a Umanizzare, seres humanos sequer têm direito a ar-condicionado numa enfermaria. (Any Margareth)