Criciúma (SC) tem madrugada de violência com assalto a banco

Imagem: CAIO MARCELLO/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO

O assalto a duas agências do Banco do Brasil no centro de Criciúma (SC) provocou terror na cidade na madrugada desta terça-feira. Além de rajadas de tiros, os criminosos fizeram barricadas com carros, espalharam explosivos, usaram reféns como escudo e trocaram tiros com policiais. Segundo a polícia, os reféns foram soltos. Os bandidos fugiram e ninguém foi preso até o momento.

Os bandidos também incendiaram o 9º batalhão da PM (Polícia Militar) e o túnel que liga a cidade à vizinha Tubarão. Ao menos duas pessoas ficaram feridas na ação: um policial, que segundo a Polícia Militar foi levado para um hospital e está em estado grave, e um vigilante, ferido sem maior gravidade.

30 a 50 bandidos, 10 a 12 veículos de fuga

A ação começou por volta da meia-noite e terminou às 3h da madrugada. A polícia informou que ao menos 30 bandidos participaram da ação, mas de acordo com o prefeito Clésio Salvaro (PSDB), esse número pode chegar a 50. Dez a 12 veículos foram usados na fuga e abandonados mais tarde na cidade de Nova Veneza (SC), a cerca de 18 km de Criciúma, em uma plantação de milho.

“Foi uma ação extremamente violenta. Por volta de meia-noite, 30 criminosos fizeram um assalto com explosivos, confrontando policiais em diversos pontos, atingindo diversos imóveis”, afirmou Anselmo Cruz, delegado titular da delegacia antirroubos e antissequestro da Polícia Civil de SC.

“A mobilização das polícias permanece no sentido de localizar os autores. O trabalho da Polícia Civil é de investigação até chegar à autoria dos criminosos que realizaram ação”, disse ele à GloboNews.

Segundo a polícia, a soma total do roubo ainda não foi mensurada pelo Banco do Brasil. “Acreditamos que o valor levado é bastante grande. Pelos vídeos postados nas redes sociais, vimos que havia grande quantidade de dinheiro em uma caminhonete”, afirmou Vitor Bianco Junior, da delegacia regional de Criciúma, à GloboNews.

Bandidos não são de SC, diz polícia

Segundo Anselmo Cruz, a polícia acredita que os bandidos não sejam da própria cidade. “Pelas condições, sabemos que não são criminosos de SC, talvez do Sudeste ou centro-oeste do país. Foi uma ação inédita no estado.”

Ulisses Gabriel, delegado da Civil responsável pelo caso, afirmou que o objetivo dos bandidos era chegar à tesouraria da agência bancária e que 30 kg de explosivos foram encontrados no local. Vídeos de moradores mostraram outros artefatos espalhados pela cidade. À GloboNews, ele afirmou que a Polícia Rodoviária Federal e a Polícia do Rio Grande do Sul estão ajudando na busca pelos criminosos.

A polícia descarta, por ora, uma possível fuga dos bandidos por avião. Segundo o delegado Vitor Bianco Junior, as placas dos veículos usados pelos bandidos em Criciúma são de São Paulo, e os carros são de modelos caros ou luxuosos, como Audi, BMW e Mitsubishi.

“Acreditamos que tenham vindo para a região há algum tempo para planejar a ação”, disse ele. “Não dá para dizer qual facção estaria envolvida. É um tipo de ação a qual nossa região não está habituada.”

Dinheiro espalhado pelas ruas

Na fuga, os criminosos espalharam um malote de dinheiro pelas ruas. Vídeos mostram moradores recolhendo as notas. Em entrevista à Globonews, o delegado Ulisses Gabriel afirmou que quatro pessoas foram detidas em flagrante por furtarem o dinheiro abandonado pela quadrilha nas ruas.

De acordo com o delegado, foram encontrados cerca de R$ 810 mil na casa desses suspeitos, embora não necessariamente esse valor seja todo do furto nas ruas. “Essas pessoas detidas se aproveitaram do momento, não são da quadrilha [que praticou o assalto]”, disse ele. Em um primeiro momento, os suspeitos negaram que o dinheiro tivesse sido roubado do malote espalhado pelos bandidos.

Prefeito pede para pessoas ficarem em casa

Em vídeo, o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, fez um alerta à população para que fique em casa e evite sair às ruas da cidade. “Vamos confiar na polícia do Estado de SC para cumprir seu papel”.

Em entrevista à GloboNews, Salvaro informou que os criminosos deixaram a cidade em direção ao sul do estado. “Em Santa Catarina, em especial aqui em Criciúma, nunca vivemos algo parecido. É uma experiência que não sairá da cabeça dos moradores, infelizmente de uma forma muito negativa”, disse.

O prefeito informou ainda que entre os reféns, todos já liberados, estavam seis profissionais da prefeitura que pintavam sinalizações de trânsito na hora da ação e que tinham sido usados como escudo humano pelos bandidos.

“Foi um ataque muito bem planejado. Agora, é hora de deixar polícia fazer seu trabalho para prender essa quadrilha”, disse Salvaro.