Cuidado! O perigo está a solta nos sinais da cidade (ver vídeo)

limpadores-de-para-brisa-e-punhal-capa

Um vídeo enviado ao Radar nesta sexta- feira (04) parecia despretensioso, daqueles que não traz denúncia tão grave e nem tão preocupante mas, ao relacionarmos tal vídeo com certos acontecimentos, confesso que as imagens me deram um frio na espinha, prenúncio de medo. Nas imagens, um conselheiro tutelar mostra um rodo apreendido com um flanelinha e que deveria apenas servir para limpeza de para-brisas nos semáforos, mas o objeto se transforma num punhal.

O vídeo me fez lembrar de algo que aconteceu meses atrás, num semáforo da Cidade Nova, quando eu e minhas filhas estávamos no meu carro. Um flanelinha, aparentemente um garoto, se aproximou do carro e fez menção que ia limpar o para-brisa. Fiz um gesto com a mão para que ele parasse, mostrando que não queria que ele esguichasse no para-brisa do carro, o sabão líquido que carregava dentro de uma garrafinha de plástico.

Não era arrogância, nem má vontade com o garoto não, viu gente! A explicação é que, numa dessas limpezas de para-brisa, feita às pressas por causa da rapidez em que o sinal fechava e abria, dando passagem aos carros, não deu tempo do rapaz tirar o sabão direito, o líquido escorreu na parte da frente do veículo e o sol quente deixou parte da lataria do carro toda manchada.

Vale ressaltar que, como forma de dar uma força pra rapaziada que está nos sinais, mostrando que dou o maior valor para quem procura trabalhar ao invés de estar roubando os outros, eu sempre dou algum dinheiro pro flanelinha – quando la babita não está muito curta, né meu povo!

E isso é o que ia fazer nesse respectivo dia em que estava no semáforo e recusei a limpeza do para-brisa, mas a reação do garoto assim que fiz o sinal negativo com a mão, foi de extrema violência. Ele deu um murro no carro e bateu violentamente com o rodo no para-brisa. Euzinha, que não costumo permitir que ninguém agrida minha família e tenho um humor que vai do céu a ao inferno em segundos, fiz menção de abrir a porta do carro e mostrar pro garoto do que é capaz uma mulher com raiva, mas me contive diante do desespero das minhas filhas.

Narrei esses fatos pra vocês como forma de explicar o porquê desse vídeo ter me feito ter calafrios. Vi o ódio nos olhos daquele garoto e imagina, minha gente, o que um cara desses não seria capaz de fazer com um rodo que se transforma em punhal.

E o que aconteceu comigo meses atrás, tomou conta das redes sociais, com a denúncia de pessoas que dizem estar sendo agredidas pelos flanelinhas nos semáforos da cidade quando se recusam a deixar limpar o para-brisa.  Na quarta-feira passada (2), um advogado teve o vidro do carro quebrado e foi ferido na cabeça por uma pedrada desferida por um desses flanelinhas na Bola do Eldorado.

Já foi descoberto que há deles que estão sob efeito de drogas e que têm passagem pela polícia por outros delitos. Então, que a segurança pública desse Estado tome providências, procure ver quem são esses rapazes que estão nos sinais da cidade, antes que alguma violência bem pior aconteça. E aí, desculpas e providências tardias não vão adiantar pra mais nada. (Any Margareth)