Cúpula da Susam e empresários são presos durante Operação Sangria da PF no AM

Foto: Radar Amazônico

Informações captadas pelo Radar dão como certa as prisões da secretária de Saúde, Simone Papaiz; do ex-secretário de Saúde (interino), João Paulo Marques dos Santos; do ex-secretário executivo adjunto de saúde, Perseverando da Trindade Garcia Filho e da ex-gerente de compras da Susam, Alcineide Figueiredo Pinheiro, na manhã desta terça-feira (30) durante o cumprimento dos mandados de prisão temporária na Operação Sangria, deflagrada pela Polícia Federal em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF).

Além da cúpula da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), responsável pelo processo de compra de 28 “respiradores” pulmonares por R$ 2,9 milhões da loja de vinhos FJAP e Cia Ltda para atendimento aos pacientes com Covid-19 no Amazonas, também foram presos os empresários:

Fábio José Antunes Passos – dono da loja de vinhos FJAP e Cia Ltda;

Cristiano da Silva Cordeiro – proprietário da rede de supermercados Big Amigão e que teria emprestado o dinheiro para a FJAP comprar os respiradores da Sonoar e vender mais caro para o Governo;

Luciane Zuffo Vargas de Andrade – proprietária da empresa Sonoar que forneceu os respiradores para a loja de vinhos;

Renata de Cássia Dias Mansur Silva – sócia da Sonoar

CPI trouxe à tona esquema 

A compra superfatura de “respiradores” pelo Governo foi denunciada pelo Radar e ganhou repercussão nacional. Além disso, ocasionou em uma operação do Ministério Público do Amazonas (MP-AM) e da Polícia Civil deflagrada na quarta-feira (10). Entre os alvos da operação, estavam residências e a sede da Susam. O material apreendido pertence a empresários e servidores públicos da Secretaria, incluídos ex-secretários de Estado.

Em depoimento feito à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde no último dia 12, Luciane Andrade, sócia-proprietária da Sonoar, revelou que os ventiladores superfaturados vendidos pela empresa FJAP – loja de vinhos – ao Governo, em março deste ano, foram comprados da Sonoar e vendidos quase meio milhão mais caro ao Estado.

Embora a empresa Sonoar, representante da marca importada Resmed em Manaus, tenha apresentado proposta mais barata, de cerca de R$ 2,5 milhões, o Governo decidiu comprar da empresa FJAP por R$ 2,9 milhões, sem licitação.

O depoimento de Luciane Andrade durante reunião da CPI foi na contramão do que alegava a titular da Secretaria de Estado de Saúde (Susam) Simone Papaiz, de que os ventiladores pulmonares comprados na loja de vinhos foram adquiridos pelo valor milionário de R$ 2,9 milhões por terem vindo do exterior.