Dallas diz que Silas “planta intrigas” em site pago com dinheiro público

O deputado estadual Wanderley Dallas contou ao Radar que, numa atitude nada cristã, o deputado federal Silas Câmara vem usando um site, o “Amazonas Cristão”, que é do filho dele, para “atacar adversários e plantar intrigas políticas”. E o que torna o comportamento do deputado, que se autodenomina liderança da igreja Assembleia de Deus ainda pior é que o dito site é bancado com dinheiro público, como torna claro um enorme anúncio o Governo do Estado que está na página eletrônica.

Segundo Dallas, Silas anda divulgando que o presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, pastor José Wellington Bezerra, havia “ofendido” o Amazonas, ao citar, em reunião da entidade, que um juiz havia aprovado a união de um homem com duas mulheres no Estado. E, propositalmente, relacionou o fato ao apoio concedido pelos deputados Wanderley Dallas e Francisco Souza ao religioso, que disputa com o irmão de Silas, Samuel Câmara, a presidência da maior igreja evangélica do país, em eleição marcada para abril.

Bezerra é um antigo desafeto da família Câmara. Já venceu duas vezes o mesmo Samuel na disputa pela presidência da Convenção Geral das Assembleias de Deus do Brasil. Dallas e Souza romperam com o grupo que comanda o núcleo político da Assembleia de Deus em 2015. Hoje atuam independentes.

Dallas se manifestou sobre a acusação, lembrando que o pastor José Wellington tem grande consideração pelo Amazonas, tanto que projetou-se nacionalmente ao ser vice-presidente da CGADB na gestão do saudoso pastor Alcebíades Pereira Vasconcelos, que dirigiu a Igreja no Amazonas antes dos Câmara.

“Apoiá-lo, longe de ser um problema, é sim uma honra”, diz o deputado/pastor. Ademais, segundo ele, a crítica à decisão do juiz, para quem professa os princípios cristãos, tem toda procedência. “Ou eles ( Os Câmaras ) já defendem a bigamia?”, questionou.

Em outubro passado, Silas foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal por falsidade ideológica, mas acabou não cumprindo a pena porque o caso foi julgado após o prazo estabelecido em lei para vigência da denúncia. Ele responde a pelo menos mais dois processos no mesmo foro – será que um comportamento desse é digno aos olhos de Deus, gente?

Em janeiro último, descobriu-se que Silas é lobista da empresa Umanizzare, que administra o Complexo Penitenciário Anísio Jobim aqui em Manaus, onde ocorreu o massacre que ocasionou a morte de 56 detentos, no primeiro dia do ano. Ele, a mulher, Antonia Lúcia, e a filha, Gabriela, receberam vultosos valores a título de ajuda para as respectivas campanhas eleitorais, em 2014.
“Ao que tudo indica, Silas decidiu agora reagir, usando um site bancado com dinheiro público, como, aliás, ocorre com todas as iniciativas dele, mesmo as privadas, para atacar adversários e plantar intrigas, classifica Dallas.