Davi anuncia que vai sair do PSD de Omar e não apoia ninguém no segundo turno

“Eu não me sinto no dever de marchar ao lado de um dos dois candidatos. Desejo a eles um bom segundo turno”. Essa foi a afirmação do governador interino do Amazonas, David Almeida, que, na tarde desta terça-feira (8), informou que não apoiará Amazonino Mendes (PDT) e Eduardo Braga (PMDB) no segundo turno da eleição suplementar marcada para o dia 27 deste mês. Ele anunciou ainda a sua saída do Partido Social Democrático (PSD).

David Almeida relembrou que trabalhou pela candidatura de Rebecca Garcia (PP) no primeiro turno e justificou a escolha, afirmando que foi impedido pelo próprio partido, de ser candidato. “No primeiro turno da eleição eu tentei ser candidato, mas não consegui o apoio do meu partido”, disse.

O governador afirmou que, na visão dele, seria uma falta de coerência demonstrar apoio a quem ele criticou durante o primeiro turno. “Eu não posso aderir a tudo que eu combati no processo eleitoral que é o continuísmo. Como que hoje vou subir no palanque de alguém que eu combati três dias atrás. Os que estão juntos hoje passaram a vida falando mal um do outro. Eles se odeiam, mas estão juntos por conveniência. Eles não deixam uma nova liderança surgir, mas eu não sou assim e sigo com minhas convicções”, ponderou.

Almeida disse que no primeiro turno ele quis dar uma oportunidade de mudança na política do Amazonas, mas, segundo ele, o Estado não entendeu assim.

“Não dou ordens e nem obrigo a ninguém fazer o que não querem. Eu não tenho condições de impor nada aos colegas deputados. Tenho a coragem e determinação de seguir minhas convicções e eles estão livres para seguir as deles”, afirmou.

David afirmou que foi convidado por vários partidos, mas ainda não escolheu o seu destino, porém ele garantiu que não fica mais no PSD. “Eu queria ficar no PSD, mas não tenho como, pois, meu partido me tirou o direito de disputar o governo. Assim que eu definir o partido pra onde vou todos saberão”, completou.

Foto: Erik Oliveira