David diz que Deodato é irresponsável e que vai ter peia no Governo todo dia

Em uma sessão cheia de euforia tanto do lado da oposição quando da base aliada ao governador Amazonino Mendes (PDT), o deputado David Almeida retornou à presidência da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), nesta terça-feira (10), após passar quase cinco meses ocupando o cargo de governador interino do Amazonas.

Em seu primeiro discurso o deputado, que foi recebido por uma bateria de escola de samba, anunciou que vai pagar, a partir do mês de novembro, a recomposição salarial de 6% referentes ao ano de 2017, dos servidores da Casa. Almeida se referiu ainda ao atual Governo afirmando que será enérgico e atuará de forma firme, segundo ele, pelo bem do Estado.

“Nem tudo que se quer se pode. Nem tudo que se deseja é possível. A partir do próximo mês a recomposição de 2017 estará na conta dos servidores. Só será possível isso porque o Estado cresceu em cinco meses”, ponderou Almeida, ao chamar os funcionários para negociar os reajustes de 2015 e 2016 na próxima segunda-feira (16).

Os servidores da Assembleia pedem 13% de reajuste referente aos anos de 2015, 2016 e 2017, além de equiparação salarial com os servidores do Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM). Eles chegaram a reclamar enquanto David discursava por ele prometer pagar apenas o reajuste de um ano, porém, o próprio parlamentar conseguiu contornar a situação, dizendo ser totalmente acessível ao diálogo.

Almeida chegou a afirmar que não ficaria calado ao que ele considerou como ataque do secretário de saúde, Francisco Deodato, que procurou os órgãos de controle do Estado para comunicar um déficit de R$ 1,2 bilhão na saúde pública.

“Ele é um irresponsável por dizer essas coisas. Eu não vou sofrer esses ataques calado. Eu tenho a tribuna e todo dia vai ter peia no Governo. Eu tenho números, tenho dados, sei o quanto o Governo tem em caixa e a cada sessão vou apresentar algo para a sociedade”, ponderou.

O líder do governo, deputado Dermilson Chagas (PEN), afirmou que considera a declaração do presidente da Assembleia como um desabafo natural. O deputado disse ainda que Deodato fez o que qualquer gestor faria, apresentando relatórios de está a situação da que assumiu.

“É um sentimento que o presidente está expondo. Acredito que o momento é simplesmente de euforia. É mais força de expressão. O governador não vai ficar medindo forças com a Assembleia, pois ele quer uma parceira pelo bem do Amazonas. Eu encaro o que David disse como um desabafo”, afirmou.

Dermilson anunciou que o secretário de saúde estará na Assembleia na próxima terça-feira para esclarecer o déficit de R$ 1,2 bilhão que foi divulgado. O pedido de comparecimento do secretário partiu do deputado Sabá Reis (PR). Segundo Reis, o secretário errou em não incluir a Assembleia na reunião com a Rede de Controle do Amazonas.