David Almeida cancela o Réveillon, mas mantém gasto milionário com a tradicional queima de fogos

Foto: Elton Viana/Semcom

O prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), anunciou o cancelamento do Réveillon no último final de semana após muita pressão devido às ameaças da variante Ômicron do novo coronavírus.

Apesar do cancelamento da festa, ele confirmou a realização da tradicional queima de fogos em pontos considerados estratégicos na capital amazonense.

“Nós vamos fazer uma queima de fogos na Ponta Negra, Viver Melhor, Itaúba e outras zonas da cidade. Vamos evitar o show na praia, por medidas de segurança, mas vamos celebrar a chegada do novo ano dessa forma, iluminando os principais pontos da cidade, afirmou o prefeito.

Um levantamento feito pelo Radar Amazônico aponta que, além dos gastos milionários que David realizaria com shows de artistas nacionais, David Almeida também vai investir uma fortuna em fogos de artifício com barulho, prejudiciais à saúde dos animais, de pessoas com deficiência (PCDs) e idosos.

Ao todo, serão gastos R$ 1.272.350,00 (um milhão, duzentos e setenta e dois mil, trezentos e cinquenta reais) com fogos de artifício. Mesmo com o cancelamento das apresentações musicais, a queima de fogos também pode gerar aglomeração de pessoas para ver o show de pirotecnia, principalmente na praia da Ponta Negra, zona Oeste de Manaus.

Justiça

Recentemente, o vereador Rodrigo Guedes (PSC) entrou com uma ação na Justiça para impedir a realização do Réveillon de Manaus, que terá o show do cantor Luan Santana, promovido pela Prefeitura Municipal de Manaus.

Na ação, ele explicou que o valor pago pelo show do cantor nacional, R$ 600 mil, é praticamente o dobro do que é geralmente pago e questionou o motivo disso.

“Não só a cidade de Manaus, como o mundo todo, vem sofrendo ao longo de mais de um ano com os efeitos devastadores causados pela pandemia COVID-19 e suas variantes, ressaltando que não houve festa no final do ano passado. Agora nesse final de ano corremos o risco com uma nova variante mais potente, além de uma nova onda já chegando a diversos países. Precisamos resguardar a população e garantir que esse dinheiro seja investido onde realmente precisa. Além disso, Manaus está abandonada e certamente gastar R$ 10 milhões em uma festa de Réveillon não é investir o dinheiro público de forma adequada”, ressaltou o parlamentar.

E o Carnaval?

O cancelamento do Réveillon abriu discussões sobre outro evento que também reúne várias pessoas: o Carnaval. As escolas de samba da capital amazonense como Mocidade Independente de Aparecida, Reino Unido da Liberdade, Unidos do Alvorada e A Grande Família já iniciaram os preparativos visando futuros desfiles no Sambódromo.

Entretanto, o prefeito David Almeida ainda não sinalizou se vai manter a realização do evento, algo que vem gerando muitas dúvidas entre os amantes do Carnaval.

Foto: João Paulo Castro

Vale ressaltar que os organizadores da Banda do Boulevard, um dos maiores eventos carnavalescos de Manaus, decidiu cancelar o evento de 2022 com receio de novas ameaças da pandemia da Covid-19.