David Almeida recomenda que Governo dialogue com policiais para o bem do Amazonas

A afirmação foi feita pelo presidente da Aleam ao Governo diante da ameaça de uma greve da categoria

O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), David Almeida, sugeriu aos deputados governistas que eles sejam intermediadores dos Policiais Militares com o Executivo, com o objetivo de evitar um colapso na Segurança Pública. Ele afirmou estar preocupado com a crescente mobilização das associações da categoria, a favor de uma greve geral no Estado.

David relembrou do cenário similar vivido em 2014, quando José Melo era governador do Amazonas, e que tragicamente, as informações repassadas pelos representantes do Alto Escalão das Corporações escondiam a verdade sobre as reivindicações dos policiais que culminaram na paralisação das categorias. “Os Comandantes pregavam que tinham controle sobre os policiais, mas não era verdade. E agora, estamos vendo o mesmo filme. Eles não podem continuar sendo ignorados por um Comando que não tem Comando”, cutucou.

“Eu me disponibilizei junto às Associações para ser o elo facilitador de um diálogo entre os policiais e o Governo. Eles só querem ser ouvidos, e os representantes do Governo se recusam a receber essas pessoas. Para o bem do Amazonas, busquem o diálogo com os policiais”, frisou.

David Almeida que se posicionou contrário ao parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE-AM), que considerou inconstitucional a Lei 4044, das promoções especiais aos praças da Polícia Militar do Estado do Amazonas (PM-AM), motivo da ameaça de paralisação geral da categoria, aconselhou que os interlocutores do Executivo Estadual, deputados Vicente Lopes e Dermilson Chagas, facilitem um entendimento entre as duas partes.

“As conquistas são alcançadas através do diálogo. Não dá pra ignorar o movimento das polícias. É preciso agir agora. Existe um movimento que ganha força a cada dia, favorável à greve sim”, alertou.

O parecer da PGE “semeador da discórdia” enviado ao Comando Geral da PM, indignou as lideranças da corporação e outros deputados, como Platiny Soares, que mandou um recado. “Nós não somos incentivadores da baderna e nem do vandalismo. Estamos defendendo que esta Casa e os policiais sejam tratados com respeito pelo Governo”, esbravejou.