David Reis renova contrato e gastos com lives das sessões plenárias ultrapassam R$ 6 milhões

Em pesquisa na Receita Federal, descobriu-se que a empresa adotou o nome fantasia “Plano A Filmes e Comunicações da Amazônia”

Foto: Divulgação

O Radar encontrou mais um gasto milionário na Câmara Municipal de Manaus (CMM). Desta vez, o presidente da Casa, vereador David Reis (Avante), aumentou em mais de R$ 3 milhões um contrato para a transmissão das sessões plenárias. O Termo de Aditivo de Contrato foi publicado no Diário Oficial da CMM na última quarta-feira (02). (veja documento no final da matéria).

O valor total do aditivo é de R$ 3.163.338,90 (três milhões, cento e sessenta e três mil, trezentos e trinta e oito reais e noventa centavos), com duração de 12 meses, valendo até dia 03 de janeiro de 2023.  A empresa Abraão da S Cardoso Comunicações e Produções Eireli continua sendo a responsável pela locação de equipamentos, instalação e manutenção do sinal digital, desde o ano passado. Com este aditivo e o valor que a empresa recebeu em 2021, David Reis vai gastar um total de R$ 6,3 milhões para fazer as transmissões das sessões plenárias.

Em pesquisa na Receita Federal, descobriu-se que a empresa adotou o nome fantasia “Plano A Filmes e Comunicações da Amazônia”, e tem sua sede localizada no bairro Adrianópolis, zona Centro-Sul de Manaus. A empresa pertence somente ao Sr. Abraão da Silva Cardoso. A contratada tem como principal atividade ‘pós-produção cinematográfica, de vídeos e programas de televisão’.

Presidente da CMM é questionado sobre contratos milionários

Desde o início de sua gestão na CMM, o presidente da Casa Legislativa já coleciona uma série de contratos milionários, alguns com gastos tão altos ou desnecessários foram até barrados na Justiça, como o caso do aluguel das pick-ups e o aumento do popularmente conhecido ‘Cotão’.

Durante a abertura dos trabalhos legislativos nessa semana, o Radar aproveitou a ocasião para questionar David Reis sobre os contratos milionários para melhorias no prédio da Casa Legislativa. Ao ser questionado se o dinheiro público estava sendo usado de forma correta, Davi Reis apenas defendeu a legalidade dos contratos.

“Eu quero dizer que nenhum contrato precedido pela presidência, ele não foi submetido a um processo licitatório e nós temos na nossa democracia os órgãos de controle como o Ministério Público, Tribunal de Contas e todas as nossas ações elas rigorosamente estão no Portal  da Transparência”, disse.

veja o documento na íntegra