De Facebook a “bandeirada”: Servidores do Governo são obrigados a fazer campanha

Servidores que ocupam cargos comissionados no Governo estão sendo obrigados pela alta cúpula da administração estadual a fazer campanha para reeleição do governador Amazonino Mendes (PDT). Pra quem deveria e quer comprovar, os indícios da ilegalidade está nas próprias redes sociais onde os perfis desses servidores trazem o slogan de campanha do governador, igualzinho a propaganda que também está nos perfis de seus chefes secretários de Amazonino.

Para comprovar denúncias, o Radar foi orientado pelos próprios servidores. “Vai lá pras paginas dos secretários e vê que na lista de amigos do Facebook deles estão servidores que têm a mesma propaganda eleitoral em seus perfis!”, explicaram os servidores, afirmando que essa não é uma manifestação espontânea, mas sim obrigatória. Exemplos disso estão visíveis nas publicações dos servidores e seus respectivos secretários: presidente do Fundo de Promoção Social (FPS) e sobrinha do governador Amazonino Mendes, Mônica Mendes; do Controlador-Geral do Estado, Arthur Lins; e dos secretários de Comunicação, Célio Alves, e de Política Fundiária, Paula Andrea Kanzler Soares.

Coincidentemente, as denúncias chegaram ao Ministério Público Eleitoral (MPE) que ontem, sexta-feira (28), emitiu um “alerta para que o governador não permita coação aos servidores públicos comissionados” – então tá né meu povo!

Dado ordens  

As ordens são dadas por secretários de Estado diretamente aos cargos comissionados – pessoas que exercem cargos de confiança no Governo, de livre nomeação e exoneração – que ocupam função de chefia ou direção e são repassadas aos demais  servidores comissionados que ocupam cargos de assessoramento técnico.

De acordo com as determinações – feitas em conversas informais, sem registro oficial como ofícios ou documentos com timbre do Governo -,  todos os servidores que ocupam cargos comissionados devem participar das ações de campanha pró-Amazonino que incluem, entre outros, a inserção da tema “Eu voto no Amazonas” na foto de perfil nas redes sociais, especialmente no Facebook, republicações de postagens favoráveis a Amazonino, comentários em publicações positivas e negativas referentes ao Governo ou ao governador, além de terem que postar publicações enaltecendo o governo de Amazonino em todas as redes sociais.

As ações não se restringem ao mundo virtual: os ocupantes dos cargos comissionados também devem envelopar os vidros dos veículos com a propaganda de Amazonino ou de candidatos da coligação “Eu voto no Amazonas”, além de participar de ‘bandeiraços’, caminhadas, reuniões e atos públicos da campanha pró-reeleição do chefe.

Aos sábados, por exemplo, não é raro ver servidores que ocupam cargos comissionados participando de ‘bandeiraços’ na rotatória do conjunto Eldorado, nas proximidades da Delegacia da Mulher, no bairro Parque Dez.  

Além dos cargos comissionados, os servidores efetivos – aqueles aprovados em concurso público e que não correm o risco de ser exonerados – também são cooptados para fazer campanha eleitoral. No caso deles, a campanha é em troca da nomeação em funções de confiança, com valores superiores aos que eles recebem atualmente, ou benefícios pós-eleição.