De janeiro a maio, o número de pedidos de aposentadorias cresceu 100%

O Fundo Previdenciário do Estado do Amazonas (Amazonprev) divulgou um relatório, nesta quarta-feira (12) que trata sobre o número de processos de aposentadorias analisados por mês. De acordo com o órgão, nos cinco primeiros meses do ano, este número dobrou saltando de 450 para 900.

“A meta, conforme a norma ISO 9001-2015, pela qual o órgão é certificado desde 2010, prevê um alcance de no mínimo 85% para as análises dos processos de servidores com pedidos de aposentadoria por mês. Ou seja: atingimos o nível de 100% com eficiência e sem perda de continuidade”, avalia o presidente da Amazonprev, André Luiz Zogahib.

Dentre os principais motivos que impulsionaram as solicitações de aposentadoria estão os reajustes e enquadramentos funcionais dados pelo Governo do Amazonas a diversas categorias. Essas vantagens eram aguardadas pelos servidores para garantirem maiores valores dos vencimentos na aposentadoria.

Ainda pelos cálculos da Amazonprev, a maioria dos pedidos de aposentadoria é dos profissionais da Educação (Seduc-AM), que representam 70% do total de solicitações ou 630 petições. Na sequência, aparecem com 20% os servidores da área da Saúde (Susam): 180 processos. E, os 10% restantes abrangem as demais secretarias e órgãos, com 90 pedidos.

Reforço

Para dar conta do número crescente de pedidos de aposentadoria, a instituição criou um grupo de trabalho na Gerência de Previdência formado por 17 analistas, com meta diária de seis exames processuais para a concessão de novos benefícios. Entre esses analistas, o servidor Ronaldo Júnior estabeleceu uma meta ousada para agilizar essa tramitação.

“Não apenas cumpro a minha cota semanal como já estou adiantando as análises dos processos da semana seguinte. Esse alcance demonstra o nosso compromisso com o servidor público, sempre em busca da excelência na gestão previdenciária”, observa o servidor.

Tramitação

As análises dos processos previdenciários com fins de aposentadoria tramitam nas mãos dos analistas durante pelo menos 18 dias. Nesse período, os profissionais analisam a documentação emitida pelo órgão de origem do servidor.

Nessa fase também é examinada a legalidade da concessão para que, em no máximo 35 dias, a documentação final seja remetida à Casa Civil do Estado com finalidade de publicação do decreto que comprova a passagem para a inatividade.

(*) Com informações da Amazonprev