De jatinho a anfíbio: Governo de Amazonino lança 7 licitações para aluguel de aviões

O governador Amazonino Mendes e sua trupe de secretários, correligionários e coisas do gênero, vão poder fazer voos estaduais, interestaduais e até internacionais em aeronaves de todo tipo e tamanho, tudo custeado pelos cofres públicos. Isso fica explícito no portal da Comissão Geral de Licitação (CGL) que lançou, em pouco mais de um mês, sete avisos de pregões eletrônicos para o fretamento de aeronaves para o governo de Amazonino Mendes. ( ver resenhas no final da matéria)

Tem avião pra todo gosto e necessidade, desde os jatinhos executivos, até aviões anfíbios, aeronaves muito usadas no interior do Estado pra ter acesso a certas comunidades isoladas, ou aviões de alta perfomance, um turboélice bimotor EMB 120 com capacidade para 30 passageiros.

As licitações estão todas destinadas para a Casa Militar do Governo. A justificativa dada para a Casa Militar de Amazonino precisar de tantos aviões é a seguinte: “por não dispor de aeronaves próprias disponíveis para atender prioritariamente a demanda de transporte da estrutura organizacional do Gabinete do Governador”.

Para se ter uma ideia das características exigidas pelo Governo de Amazonino para as aeronaves que serão fretadas, os Pregões Eletrônicos (PEs) 606 e 657 especifica que é uma aeronave tipo Jato Executivo Biturbina, Turbofan Cabine Pressurizada ou similar e um Cessna Caravan Anfíbio Monomotor, respectivamente. Ambas com capacidade mínima de oito (8) pessoas, já com combustível e piloto por 12 meses.

No caso do PE 589, o aluguel é para um EMB 120 ou Brasília, Turbo Bimotor ou Similar, que transporta até 30 passageiros, também incluso piloto e combustível por um ano. Já para outros pregões eletrônicos (406, 407, 411 e 657), tanto os modelos quanto suas capacidades variam. Mas em comum, todos deverão fazer transporte estadual, interestadual e até internacional.

E com todo esse aparato, Amazonino vai espalhar “amor” por todo Estado em pleno ano eleitoral, tudo pago com o dinheiro dos “amados” cidadãos desse Estado.