De posse de documento publicado pelo Radar, João Pedro denuncia governador ao MPF por suspeita de “caixa 2” e compra de votos

joão pedroO candidato a deputado federal pelo Partido dos Trabalhadores (PT), e membro do Diretório Estadual do Partido, João Pedro, fez denúncias ao Ministério Público Federal (MPF), contra o governador e candidato a reeleição, José Melo (PROS) por ilegalidades em sua campanha política. A principal delas diz respeito aos indícios da existência de “caixa 2” e compra de votos no interior do Estado, através da análise de um documento denominado “Plano Estratégico de Campanha/Interior”, publicado pelo Radar,  onde aparecem gastos de ultrapassam R$ 20 milhões somente no interior do Estado, e com apenas algumas atividades de campanha, confrontando-se com o limite de gastos declarados pelo governador ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), no valor de R$ 23 milhões, cifra esta que representaria o custo total de sua campanha à reeleição, incluindo todas as atividades, tanto na capital, quanto no interior.

“Como pode o candidato declarar ao TRE que vai gastar um valor e quase atingir essa cifra apenas com a campanha em municípios do interior do Estado, onde não consta nem determinados custos, como por exemplo, material de campanha? E o custo da campanha na capital, que chega a ser mais caro do que no interior do Estado, onde está discriminado?, questiona João Pedro, acrescentando: “Tá na cara que existe alguma coisa errada. Que esses são gastos paralelos ao oficial que indicam claramente “caixa 2”.

João Pedro questiona também a contratação de algo denominado no tal “Plano Estratégico de Campanha” do governador como “multiplicadores” de votos, que não existem legalmente na estrutura de uma campanha política, segundo as próprias normas eleitorais. “É visível que isso representa compra de votos”, avalia o petista, apontando também no documento outra afronta as Leis Eleitorais onde está discriminado o custo com aluguel de embarcações para o transporte de eleitores, atividade considerada crime eleitoral. “Isso requer investigação imediata do Ministério Público tal a gravidade dos fatos”, considera.

João Pedro também denuncia ao MPE que Melo tem feito campanha em horário em que ainda está investido no cargo de governador do Estado. “Isso afronta a Lei Eleitoral. Ele tem direito a cuidar de sua campanha à reeleição, mas só pode fazer isso após o horário de expediente. Ele não pode, no mesmo horário em que é governador do Estado, andar pedindo votos no interior, fazendo carreata pela manhã como fez em Guajará”, argumento o petista. (Any Margareth)