De volta ao banco de escola

O diretor-presidente do Detran, o ex-vereador e defensor público Leonel Feitoza, que ao assumir o cargo, viu como “num passe de mágica” surgirem varias multas de trânsito referentes a veículos registrados em seu nome e ainda serem enviadas furtivamente de dentro do Detran a jornalistas, tomou a decisão de voltar ao banco da escola de trânsito, fazer o curso de reciclagem, e depois ser testado na prova teórica e de direção. Após enfrentar o dia de trabalho no Detran, Leonel fica na sala de aula de 19:00 até 21:30 horas. Ele está com a carteira de motorista regular, tanto que a data de vencimento é só no ano de 2014, mas já está tomando as previdências para garantir a renovação do documento.

 Dando exemplo

“Como já cansei de dizer, não dirijo há anos por recomendações médicas por causa de problemas na coluna. Por conta disso, contratei motoristas que cometeram as transgressões de trânsito, mas infelizmente dirigiam veículos que estavam em meu nome. O mais curioso é que o Detran nunca me mandou qualquer notificação para que eu pudesse fazer minha defesa, mostrando que eu não estava dirigindo os veículos por ocasião das multas. Porém, nunca fugi das minhas responsabilidades, vou mostrar que estou apto para dirigir, mesmo não fazendo essa atividade há muito tempo. Como presidente do Detran, vou dar o exemplo”, argumenta Leonel.

 Bronzeado ou com Dengue?

Há de se fazer ajustes urgentes na imagem da TV Câmara. Como nada escapa do “olho clínico” de repórteres, ainda mais de quem é de televisão quando se trata de imagem, todo mundo notou que os rostos dos vereadores estava muito avermelhado nos monitores que ficam em plenário reproduzindo a transmissão ao vivo da sessão plenária. Isso se chama tecnicamente de imagem com saturação de croma (nesse caso vermelho). Mas, na visão de um brincalhão colega de televisão, a vermelhidão dos vereados está entre o excesso de bronzeado e a dengue. Língua ferina!

Fugindo da “sarna”

O vereador Mário Frota (PSDB) decidiu, num repente, tirar de pauta o projeto de sua autoria que regulamentava a atividade de taxi-otação. Para explicar a atitude, Frota disse que primeiro vai avaliar juridicamente se a regulamentação desse tipo de transporte de passageiro seria de competência da Câmara. Mas há quem diga que o parlamentar decidiu não procurar “sarna pra se coçar”, entrando bem no meio da briga que há entre os motoristas de taxi e os de taxi-lotação, onde uns (taxistas) tentam impedir a divisão de espaço (e lucro) com os outros (taxistas de lotação). Xô sarna!

 Todos no Porão!

Os jovens vereadores Reizo Castelo Branco e Iran Nicolau vira e mexe conversam ao pé-do-ouvido no plenário da Câmara. Ontem, foi mais um deses dias de, como diz o caboclo, “um dedo de prosa” entre Reizo e Iran. Dentro da sala de imprensa, um colega jornalista pergunta: Mas, qual será o tema dessa conversa tão animada gente? E outro responde: Todos no porão! Outro colega, que parecia com o pensamento distante, não entendeu a resposta, e disse: Que porão? E o pessoal, quase em coro, respondeu: o do Alemão! Será?

 Bolsa de apostas

Lá pelas bandas da Assembléia Legislativa do Estado (ALE), o clima é de apostas. Entre o grupo dos assessores, principalmente aqueles que fazem questão de mostrar que são “íntimos” dos chefes, a disputa é ferrenha. E é aposta de tudo que é tipo, mas o assunto é sempre o mesmo, a saída de deputados para ocuparem cargos de secretários do Governo Omar. Na “roda” de apostas o lance é sobre a saída de dois deputados, que agora já são três, mas ainda há quem chegue ao total de quatro. Mas, se os assessores apostam no jogo da troca de cadeiras da ALE para secretarias, os deputados são unânimes em negar qualquer tipo de convite do governador. Será que é blefe?