Defesa de Alejandro e Paola Valeiko se manifesta após decisão da Justiça

A Justiça decidiu que Alejandro Valeiko não vai para júri popular, enquanto Paola foi absolvida sumariamente

alejandro defesa

Foto: Divulgação

A defesa dos irmãos Alejandro e Paola Valeiko se manifestou na tarde desta segunda-feira (20) sobre a decisão do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) referente ao inquérito que apura a morte do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, que aconteceu em setembro 2019.

O juiz Celso Souza de Paul, da 1.ª Vara do Júri, decidiu que Alejandro não vai a júri popular, enquanto Paola foi absolvida sumariamente do crime de fraude processual.

A nota diz que recebeu a decisão a respeito de Alejandro Valeiko com naturalidade e ressalta confiar na Justiça.

“Em relação à decisão judicial de não submeter Alejandro Valeiko a julgamento pelo Tribunal do Júri, a defesa recebe a decisão com naturalidade, uma vez que, além de confiar na justiça, desde o início das investigações, sempre ficou claro que Alejandro Valeiko nunca teve qualquer envolvimento na morte de Flavio Rodrigues ou na tentativa de homicídio de Elielton Magno”, diz.

O juiz decidiu “impronunciar” Alejandro pelas acusações feitas contra ele por ausência de provas para comprovar a autoria ou participação no crime.

No caso de Paola Valeiko, o advogado Átila Machado classificou a decisão do juiz como “irretocável”.

“A irretocável sentença proferida pelo Dr. Celso Souza de Paula, enfim, colocou um ponto final na injustiça vivida pela senhora Paola Valeiko que, há mais de dois anos, viu-se acusada da prática de um crime”, reitera.

A Justiça também decidiu que o policial militar Elizeu da Paz e o lutador de MMA, Mayc Vinícius Teixeira Parede, que já havia confessado ter atingido Flávio com facadas, recebam liberdade com medidas cautelares e ambos serão julgados no Tribunal de Júri.

Confira a nota da defesa na íntegra:

Alejandro Valeiko

Em relação à decisão judicial de não submeter Alejandro Valeiko a julgamento pelo Tribunal do Júri, a defesa recebe a decisão com naturalidade, uma vez que, além de confiar na justiça, desde o início das investigações, sempre ficou claro que Alejandro Valeiko nunca teve qualquer envolvimento na morte de Flavio Rodrigues ou na tentativa de homicídio de Elielton Magno.

A júri popular devem ir apenas os que, em princípio, tiveram envolvimento nos fatos em apuração; e é isto que está ocorrendo. A decisão final caberá aos jurados. Continuaremos acompanhando o processo e confiamos que a decisão seja confirmada pelas instâncias superiores em caso de eventual recurso. Por fim, a defesa reitera que lamenta a morte do Engenheiro e somos solidários à dor de seus familiares

Paola Valeiko

A irretocável sentença proferida pelo Dr. Celso Souza de Paula, enfim, colocou um ponto final na injustiça vivida pela senhora Paola Valeiko que, há mais de dois anos, viu-se acusada da prática de um crime, muito embora e, nas palavras do experiente juiz, tenha agido sem “saber o que tinha acontecido na casa”, por “não saber que tinha havido um crime no local e não existir qualquer tipo de isolamento da localidade”, conforme foi devidamente provado no processo, após a colheita de 37 depoimentos, inclusive de peritos, os quais como bem destacado na sentença, atestaram ter sido “possível coletar as amostras de sangue, sem qualquer prejuízo à perícia”.

A sentença do Dr. Celso, em verdade, apresenta-se irretocável não só porque reconheceu a inocência da senhora Paola Valeiko, mas, principalmente, em razão de ter reafirmado que a aplicação da justiça demanda reflexão e discernimento e, bem por isso, a linha divisória entre verdade factual e opinião não pode ser relativizada, como pretendeu o Ministério Público.