Animais da cavalaria da Polícia Militar são explorados e vivem em condições precárias, denuncia veterinária

O Radar recebeu uma denúncia informando que os animais da Cavalaria da Polícia Militar, que fica no bairro Dom Pedro, zona Centro-Oeste, estão sendo explorados e mal tratados. De acordo com a médica veterinária que não quis se identificar, durante o dia os cavalos participam de atividades da chamada equoterapia direcionada às crianças com deficiência e durante a noite são utilizados no patrullhamento, carregando policiais muito pesados. O problema é que esses animais já são velhos e não têm mais força física para fazer tanto esforço e tantas atividades.

Sem contar que, segundo a denunciante, que inclusive enviou fotos ao Radar, não está sendo dado um mínimo de conforto para os animais descansarem. Nas imagens enviadas à redação percebe-se que os animais dormem no concreto.

“São animais super velhos que trabalham de dia e saem para patrulha durante a noite. Me mostraram um animal que foi para patrulha e tinha um sargento de 140kg em cima do cavalo, o animal caiu e machucou as duas patas da frente”, disse a denunciante. Além disto, segunda a fonte, a ração dos cavalos é comprada por funcionários e estagiários.

Terapia com cavalos

A equoterapia é um método terapêutico e educacional que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiência. Dentre os beneficiados pela equoterapia da Cavalaria estão pessoas com paralisia cerebral, autismo, hiperatividade, deficiência auditiva e síndromes de Down, de Asperg e de West.

Na prática os animais realmente desenvolvem um belo trabalho social, na recuperação de pessoas com deficiência. Exatamente por fazerem um trabalho social de tamanha importãncia, esses animais deveriam ser tratados com mais dignidade e humanidade, mas nãom seria isso que estaria ocorrendo segundo a denunciante.

Falta de assistência

Os animais da cavalaria da PM, apesar de ajudarem diariamente nos projetos da equoterapia e no patrulhamento, estão carecendo de assistência e mais conforto, segundo a denunciante. “Na prática os animais realmente desenvolvem um belo trabalho social, na recuperação de pessoas com deficiência, mas em relação à saúde dos próprios cavalo, infelizmente isso está deixando a desejar”, finaliza a denunciante.

O Radar entrou com a assessoria da Polícia Militar do Amazonas (MPAM) para pedir esclarecimentos a respeito da denúncia, mas até a publicação desta matéria não obteve resposta.