Denúncias de que Seinfra pagou por obras que não existem começam a ser averiguadas pelo TCE no dia 11 de abril

Mono e Gilberto 2 b

Monotrilho teve até lançamento do projeto em jornal, mas não saiu do papel, apesar de Gilberto de Deus afirmar que milhões foram pagos

Lembram daquelas denúncias do ex-secretário de Infraestrutura do Governo de Melo, Gilberto de Deus, de que obras em vários municípios do Estado, inclusive o Monotrilho em Manaus, foram pagas sem que tenham sido feitas? São estas denúncias que estão no foco de investigação, após decisão, por unanimidade, dos conselheiros do TCE, na manhã desta quarta-feira, sobre a realização de auditorias nas obras da Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), a partir do próximo dia 11 de abril.

A decisão aconteceu durante o julgamento da representação do Ministério Público de Contas, que pedia uma inspeção extraordinária nos municípios de Coari, Tefé, São Paulo de Olivença, Eirunepé, Tabatinga, Benjamim Constant, Manaus, Careiro da Várzea e Barreirinha (Comunidade Terra Preta), pelo prazo de 61 dias, para apurar possíveis irregularidades em obras públicas

Como as inspeções ordinárias iniciam já no mês de abril, logo após a entrega das prestações de contas do exercício de 2015, os conselheiros acharam melhor, por economia de gastos, não realizar a inspeção extraordinária, mas realizar as auditorias durante a ida dos técnicos do TCE aos municípios. A sugestão — do conselheiro-presidente Ari Moutinho Júnior — foi acolhida pelo colegiado, que decidiu colocar todos os municípios envolvidos já na primeira etapa de inspeção, que inicia dia 11.