Deputada garante reativação de projeto para atender pessoas idosas

Foto: Hudson Fonseca

A vice-presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas, a deputada estadual Alessandra Campêlo (MDB), afirmou nesta quinta-feira (11), que o Governo vai reativar o Projeto Vidativa, que oferece a pessoas idosas atendimento multidisciplinar com foco na prevenção de doenças, além de esporte, lazer, cultura e cursos de qualificação. 

“O Vidativa vai voltar em toda a sua plenitude como já foi, inclusive repaginado, reformulado e modernizado, atendendo as necessidades atuais e nós temos já um compromisso assumido. Ontem o governador em exercício, o nosso vice-governador Carlos Almeida Filho, já falou do compromisso da volta do programa”, assegurou a deputada.

Segundo Alessandra, a previsão é que o projeto que está parado desde o mês de janeiro, seja reativado no segundo semestre deste ano. Ao todo, mais de 5 mil idosos na capital e interior são prejudicados com o fechamento. 

“Este ano o programa deve voltar parcialmente porque a gente está trabalhando com o orçamento proposto pelo governo anterior, que não incluiu o Vidativa nesse orçamento, e a gente está trabalhando para que no ano que vem o projeto volte na sua plenitude”, explicou a parlamentar do MDB ao destacar que a administração passada não previu recursos no orçamento para a execução do mesmo em 2019.  

O Vidativa funcionava em 47 núcleos espalhados pela capital e interior do Estado. Além dos bairros e centros de convivência, os serviços gratuitos do projeto eram oferecidos em municípios como Iranduba, Manacapuru e Parintins. Alessandra, que preside a Comissão da Mulher, das Famílias e do Idoso da Assembleia Legislativa, defende a ampliação e a descentralização do programa. 

“O ideal é que o projeto seja descentralizado, porque a gente só tem um centro de convivência do idoso, que fica no bairro de Aparecida, então é difícil para que os idosos que vivem em outras áreas se deslocarem, tanto pela dificuldade de transporte coletivo como muitas vezes até por uma questão de saúde”, concluiu Alessandra. 

Com informações da assessoria da deputada.