Deputada pede que governador acabe com a “novela” da falta de mamógrafos nos hospitais do interior

A “novela” de péssimo gosto onde o Poder Público – ler governo do “professor” Zé Melo – fazia muita propaganda sobre a necessidade das mulheres se preveniram contra o câncer de mama – ler lambança do Outubro Rosa –  mas não havia sequer mamógrafos nos hospitais, pode ter um final. Na sessão desta terça-feira, 30 de maio, a deputada estadual Alessandra Campêlo (PMDB), mais um vez falou sobre a instalação dos mamógrafos nos municípios do interior. Muitos desses equipamentos se acabaram dentro de caixas, jogados pelos cantos dos hospitais e a Secretaria de Estado da Saúde (Susam) não mandou instalar. Os prefeitos interioranos também não tomaram providências alegando falta de recursos.

Alessandra fez a solicitação diretamente ao governador Davi Almeida que visitava a Casa por ocasião da entrega da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). “Vou pedir ao senhor que olhe com carinho para a questão da saúde da mulher. Nós temos no interior mais de 50 mamógrafos que não funcionam e eu sei que a prioridade agora são os mutirões na área de ortopedia, oftalmologia e cardiologia. As filas são intermináveis e são mais de 100 mil pessoas esperando algum tipo de procedimento. Sei também que nas últimas semanas as filas já diminuíram com medidas simples que o senhor adotou, mas, por favor, olhe pela saúde da mulher”, disse Alessandra.

A presidente da Comissão da Mulher, das Famílias e do Idoso da Assembleia ressaltou a importância da mamografia, que detecta o câncer de mama e, aliada ao exame clínico e ao autoexame são considerados elementos essenciais para a prevenção de novas mortes pela doença, diz Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM).

“O Amazonas é um dos Estados que detecta o câncer de mama mais tardiamente, exatamente por causa do exame que as mulheres não conseguem fazer”, finalizou Alessandra.

Fotos: Jimmy Christian