Deputado aponta que demora no envio da Lei do Gás pelo Governo é gerada por interesses ocultos (ver vídeo)

Foto: radar Amazônico

O Amazonas finaliza mais uma semana com o risco de perder investimentos e geração de empregos e renda pela omissão do Governo em enviar a nova Lei do Gás para ser apreciada pelo Legislativo. O caso se arrasta desde maio, quando o governador Wilson Lima vetou a lei, de autoria do deputado Josué Neto, aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado e que abriria o mercado do gás no Amazonas quebrando o monopólio da Companhia de Gás do Amazonas (Cigás).

Os parlamentares não votaram o veto do Governo, mas o Governo se comprometeu em criar uma comissão interinstitucional para elaborar um novo projeto de lei que abriria o mercado do gás. Até o momento, a proposta não foi apresentada.

Em entrevista ao Radar, realizada nessa quinta-feira (23), o relator da comissão, deputado Sinésio Campos, explicou que o PL tem o objetivo de atrair novos investidores e gerar mais empregos, além de dar um preço justo ao gás. Segundo ele, há “interesses ocultos” por trás desta demora do Governo em enviar o PL para análise da Aleam.

“Nós temos aqui, o que a natureza depositou no nosso subsolo, porque não explorar? Então eu faço um apelo aqui para o Executivo encaminhar o mais rápido possível. E não espere, porque se parte do governo estão protelando é porque não querem o desenvolvimento do nosso Estado, ou tem interesses ocultos”, afirmou o deputado Sinésio Campos.

Confira a entrevista completa