Deputado cobra do Governo Federal atualização da tabela de imposto de renda

O deputado federal José Ricardo (PT/AM) encaminhou nesta terça-feira (11) ao Governo Federal Indicação ao Ministério da Economia cobrando as providências necessárias para correção da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).

Segundo o parlamentar nos últimos anos há uma defasagem na tabela devido à variação da inflação, isso faz com que as pessoas que ganham menos pague proporcionalmente mais impostos do que quem ganha mais.

A indicação do deputado tem intuito a promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro e reparar uma injustiça social contra os trabalhadores brasileiros.

José Ricardo destaca que hoje somente está isento de pagamento imposto de quem ganha até R$ 1,9 mil por mês. Porém, se houvesse correção na tabela, como ele propõe, esse valor mínimo seria de R$ 3,9 mil/mês. O que beneficiaria mais trabalhadores de baixa renda.

“Eu apresentei essa Indicação e vou cobrar as providências, mas se o Governo, ao menos, atualizasse a tabela, conforme a variação da inflação do IPCA nos últimos 12 ou 24 meses, nós já teríamos uma isenção para quem ganha um pouco mais de R$ 2 mil/mês. Isso repararia, e muito, essa injustiça. E com o reajuste da tabela, o número de pessoas que não pagaria imposto de renda saltaria para 14 milhões”, afirmou.

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco) publicou estudo apontando que a defasagem da correção da tabela do IRPF pela inflação alcançou a marca de 103,87% e que se a tabela tivesse sido corrigida no ano passado em 95,45% (defasagem integral desde 1996), 11,42 milhões de trabalhadores ficariam isentos do pagamento do imposto na declaração. O custo da correção integral é de R$ 109,1 bilhões.

E a União Nacional dos Auditores Fiscais (Unafisco) diz que, com a correção da tabela do Imposto de Renda em 7,39%, cerca de R$13,5 bilhões seriam injetados na economia do país. E sem a correção, não teria todo esse valor arrecadado e a estimativa é de que apenas 11,5 milhões de contribuintes estão inclusos na faixa de isenção do IRPF.

(*) Com informações da assessoria