Deputado condena censura do STF a matéria que liga Toffoli à Odebrecht

O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) criticou, nesta terça-feira (16), na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, que determinou a retirada do ar de reportagens que citam o presidente da Corte, Dias Toffoli. Para o parlamentar, a decisão é classificada como “censura”.

“Quero dizer daqui que tenho confiança no ministro Dias Toffoli, e também no ministro Alexandre de Moraes, mas eles estão equivocados, eles estão censurando a imprensa e eu quero aqui dizer de forma bem objetiva, bem clara, bem direta, manifestar a minha solidariedade à imprensa brasileira de modo geral”, disse Serafim.

Segundo reportagem publicada na revista “Crusoé” e no site “O Antagonista”, a defesa do empresário Marcelo Odebrecht juntou em um dos processos contra ele na Justiça Federal em Curitiba um documento no qual esclareceu que um personagem mencionado em email, o “amigo do amigo do meu pai”, era Dias Toffoli, que, na época, era advogado-geral da União.

“O Brasil vive um momento muito delicado e sensível. A partir de um determinado momento o instituto da delação premiada passou a ser usado em larga escala, e da forma mais irresponsável possível. Eu entendo que esse instituto precisa ser revisto, não pode ser nos moldes em que está. Porque alguém preso há um ano, há dois, ele vai acusar quem os seus investigadores pedirem para que ele acuse. A imprensa, do outro lado, deve registrar o que eles contarem. Isso é liberdade de imprensa. Qualquer coisa fora disso é censura”, avaliou Serafim.

O parlamentar concluiu afirmando que o caminho para aqueles que se sentem caluniados é a Justiça, e não a censura. “Todas as vezes que alguém se sentir agredido, se sentir ofendido, caluniado, difamado, injuriado, ele deve recorrer à Justiça. É verdade que esses processos demoram, mas nós temos aí o exemplo recente da deputada federal Maria do Rosário, que agredida pelo humorista Danilo Gentili, recorreu à Justiça e ele foi condenado”, declarou.

Com informações da assessoria do deputado.