Deputado diz que conversa de Amazonino sobre contratação de Rudolph Giuliani está mal contada

O deputado Serafim Corrêa deu a entender, que a conversa do governador Amazonino sobre ter contratado a empresa Giuliani Security & Safety”, de propriedade do ex-prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, para fazer consultoria de segurança, está mal contada. O deputado disse ter entrado em contato com a assessoria do escritório “Giuliani Security & Safety”, na manhã dessa quinta-feira, (26), e disse ter ouvido que não ocorreu contrato com o Governo do Estado do Amazonas, para realizar consultoria na área de segurança.

“A assessora me informou que houve um termo de intenção para que eles tomassem as primeiras medidas e se concordassem em fazer o serviço e entendessem que o Governo do Amazonas fosse transparente o suficiente, assinariam o contrato. Então vejam, que foi o Governo do Amazonas, pelo site da Secretaria de Segurança Pública, que está fazendo disso um marketing, divulgando que o Amazonas é primeiro no Brasil a ter consultoria de Rudolph Giuliani”, alertou Serafim.

Serafim lembrou que, no dia 18 deste mês, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), divulgou em reportagem que “Amazonas é primeiro no Brasil a ter consultoria de Rudolph Giuliani, que reduziu em mais da metade crimes em Nova York”. Na segunda-feira passada, (23), em coletiva à imprensa, o governador Amazonino Mendes ressaltou “o pioneirismo do Amazonas em trazer para o Brasil uma consultoria da área de segurança reconhecida mundialmente”.

“Nós estamos contratando o que há de melhor no mundo”, disse Amazonino.
No mesmo evento, o governador revelou que a consultoria na área de segurança contratada junto à empresa do ex-prefeito de Nova Iorque (EUA), Rudolph Giuliani, custará US$ 1,5 milhão, o equivalente a R$ 5 milhões.

A assessoria de Rudolph Giuliani teria informado ainda, segundo o parlamentar, que foi procurada em 2009 pelo Governo do Rio de Janeiro para prestar consultoria na área de segurança, mas que ao final, a gestão de Sergio Cabral não atendeu aos termos de “qualidade, profissionalismo e transparência” e o contrato não foi realizado.

Com informações da assessoria e imprensa
Foto: Marcelo Araújo