Deputado diz que é muita cara de pau do Governo de Melo dizer que houve queda de arrecadação

Zé Ricardo e Zé Melo

“Não sei como esse pessoal tem a cara de pau de dizer que o Governo tem que tirar a saúde do povo porque teve queda de arrecadação”. Essa frase foi dita durante a sessão plenária desta quinta-feira (02) pelo deputado estadual José Ricardo Wendling (PT), logo após apresentar da tribuna da Casainformações do site da Transparência que, ao contrário do que governador do Estado afirma, demonstram que a arrecadação tributária do Estado não diminuiu.

Até maio deste ano a arrecadação chegou a R$6,5 bilhões enquanto que no mesmo período de 2015, o montante foi de R$5,9 bilhões. “Não podemos aceitar a alegação de que o governador vai fechar os 12 Caics (Centros de Atenção Integrais à Criança), 3 Caimis (Centros de Atenção Integrais à Melhor Idade), SPAs (Serviços de Pronto Atendimento) e Policlínicas, visto que os próprios dados alimentados pelo governo comprovam que não houve diminuição na arrecadação, então alguém está faltando com a verdade. A manutenção dos atendimentos nas unidades de saúde é prioridade. É inegociável o pleno atendimento na área da saúde”, frisou.

Outro ponto questionado pelo parlamentar é que no Diário Oficial do Estado (DOE) há vários aditivos de obras e contratações, que para ele poderiam ser descartadas, nesse momento, onde está sendo anunciado cortes em áreas essenciais para a população. José Ricardo cobrou também maior rigor na fiscalização e controle feitos pela Secretaria de Fazenda do Estado, visto que há denúncias de que mais de 360 empresas estariam possivelmente cadastradas irregularmente como Microempreen­de­dora Individual (MEI), projetando um prejuízo em torno de R$ 100 milhões por ano.

“Ao invés de cortes na saúde, educação e segurança, o governador deveria rever essas obras não prioritárias, e cobrar, por exemplo, a dívida ativa de R$ 3,7 bilhões para aumen­tar a arrecadação tributária e fiscalizar as empresas que estão cadastradas como MEIs de forma irregular,  e não penalizar aqueles que precisam do serviço público”, expôs.

José Ricardo criticou ainda, a atuação do Tribunal de Contas de Estado (TCE) que apesar de identificar irregularidades na gestão dos governadores nunca reprovaram suas prestações de contas, se limitando a fazer as mesmas recomendações de sempre, ano após ano.

O sujo falando do mal lavado

O deputado José Ricardo também comentou as críticas feitas pelo prefeito Artur Neto sobre as mudanças na estrutura da saúde pública do Estado, lembrando que, enquanto o povo pedia socorro, o prefeito tinha comido abiu. “Depois de tantas manifestações públicas, depois de audiência pública na Assembleia pra debater o problema, depois do Conselho estadual de Saúde se reunir com o secretário de Saúde, depois de estar quase tudo sacramentado para prejuízo da população, aí o prefeito resolve falar alguma coisa sobre seu correligionário político, seu companheiro Melo”, criticou.

Para o parlamentar, o comportamento do prefeito ao criticar o governado é algo semelhante ao ditado popular “o sujo falando do  mal lavado”. “O prefeito de Manaus desaprovou os cortes anunciados pelo governador, mas não tem credibilidade para criticar muita coisa, já que a maioria das UBS (Unidades Básicas de Saúde) está abandonada, sem medicamentos e profissionais. São dois verdadeiros desgovernos”, observou ele.